segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Onde Fica a Casa do Meu Amigo? (Khane-ye Doust Kodjast?)

A peculiaridade do cinema iraniano é algo muito fascinante, são coisas simples que se tornam verdadeiras poesias. Objetos comuns tomam grandes proporções, assim nos revelando uma história que nos faça refletir. Mas nem sempre é colocado de forma explícita, metáforas são inseridas no contexto, porém isso não significa que o filme se torne cansativo ou difícil. Abbas Kiarostami é um diretor renomado, a narrativa ou a falta dela em seus filmes sempre são lineares e respeitam o desenvolvimento de seus personagens, não há grandes reviravoltas ou grandes acontecimentos, é apenas uma história que está sendo contada, e as coisas simplesmente acontecem.
"Onde Fica a Casa do Meu Amigo?" é um exemplo da sutileza do trabalho de Kiarostami. O garoto Ahmad é estudante na vila pobre de Koker (ao norte de Teerã). Sem querer, ele pega o caderno do colega de sala e o leva para casa. Ao se preparar para fazer o dever, percebe o erro e lembra-se de que tal colega já estava em débito com o professor e não poderia mais deixar de entregar a tarefa. Culpado por poder prejudicar o amigo, Ahmad sai sozinho à procura da casa do dono do caderno, sem fazer ideia de onde ele mora. Se num filme convencional ele passaria por uma série de perigos, surpresas e aprenderia uma bela lição de moral, aqui Ahmad não faz nada, a não ser bater de porta em porta procurando a morada do colega. No caminho encontra outras crianças, faz amizade com um velho, sobe e desce os tortuosos caminhos da região. O desespero no rosto de Ahmad é visível do começo ao fim do longa, e isso se dá por causa da rigidez do professor que repete incansavelmente que a tarefa tem que ser feita no caderno, e o quanto é necessário cuidar para que não percam, caso contrário, o aluno é punido e até expulso da escola. É um sistema de ensino precário, a relação professor/aluno não existe, é puro autoritarismo.
O filme deixa claro o quanto os adultos não ouvem as crianças, como quando Ahmad percebe que pegou o caderno por engano e preocupado fala com a mãe, mas esta só se dá ao trabalho de gritar com ele e mandar que faça a lição, que cuide do bebê, e isso e aquilo. Ahmad sai correndo decidido a encontrar a casa de seu amigo, ele só sabe que o colega mora na vila vizinha, aos poucos vai encontrando pessoas pelo caminho que não ajudam em nada, o primeiro é um velhinho que carrega palha, mas cujo rosto não vemos, em seguida, uma toalha cai da varanda de uma das casas, uma voz de mulher adulta pede para que o menino a jogue de volta, sem nem ouvir o que Ahmad tem para dizer.

Ele também encontra um outro colega da turma, que tampouco sabe onde Nematzadeh mora, mas que acabamos por saber o porquê que ele reclama na sala de aula das dores nas costas: ele ajuda o pai no trabalho, carregando pesadas latas de leite. Por fim, Ahmad procura ajuda ao velho vendedor de portas que não lhe ouve, mas que ao saber se tratar de um tal de Nematzadeh, decide guiá-lo. Lá infelizmente descobre que não era o seu amigo de sala. A busca com o velho marceneiro em seus passos lentos e seguro de si representa a experiência, e o garoto com passos rápidos, perdido, querendo vencer o tempo porque está anoitecendo, representa a impetuosidade juvenil. Esse retrato demonstra o quanto demora atingir a serenidade e uma certa sabedoria diante a vida e aos fatos. Derrotado por não ter encontrado a casa do amigo, ele sofre, recusa a comida que a mãe lhe serve, está pensativo, triste e isolado em seu universo de frustração. Mas ao invés de ir dormir, vai fazer a sua tarefa. Abre os dois cadernos e atravessa a noite fazendo os exercícios em duplicidade. Na manhã seguinte na sala de aula, o colega Nematzadeh já se sente perdido por não ter feito os exercícios quando o professor começa a revista nos cadernos dos seus alunos. O professor está para revistar o caderno de Nematzadeh, mas aí Ahmad chega atrasado. Ele se senta junto ao colega e, discretamente, lhe entrega o caderno. É quando o professor se aproxima e faz a revista. Ao abrir o caderno de Nematzadeh vê que todos os exercícios haviam sido feitos e que, na última página, Ahmad havia colado uma flor, que ele colhera no caminho para Koker, símbolo de sua viagem para encontrar o amigo no dia anterior.

O aprendizado nem sempre vem da família ou de uma educação formal, que geralmente aterroriza mais do que educa. "Onde Fica a Casa do Meu Amigo?" serve para refletirmos que a melhor forma de aprender de verdade é saindo do seu mundo, desbravar novos lugares, mesmo que seja o bairro ao lado, como o caso de Ahmad. Alguns adultos "ensinam" de maneira errônea a criança, às vezes rigorosamente ou mimando demais. O universo da criança que está em desenvolvimento é de curiosidade e de muitas perguntas, e se não forem respondidas adequadamente, isso desencadeará algo que no futuro poderá prejudicar a personalidade. O mais importante é sair das convenções sociais que são impostas logo que nascemos, a experiência individual deve ser encarada como aprendizagem de vida, pois esta é a única que nos faz sentir vivos e livres.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

SE FOR COMENTAR, LEIA ANTES!

NÃO ACEITO APENAS DIVULGAÇÃO.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...