quinta-feira, 19 de julho de 2018

Calibre

"Calibre" (2018) dirigido por Matt Palmer traz uma trama envolvente e tensa em que boa parte das situações poderiam ocorrer na vida real, a partir de um acidente questões morais são levantadas e os personagens à medida que o desespero avança tornam o clima opressivo e de pura desconfiança. O vilarejo, a floresta ao redor e as atitudes das pessoas ajudam na sensação de angústia e cria-se uma atmosfera sobrecarregada, um ótimo suspense que se não fosse pelo final destoante, seria um filme seco, direto e realista.
Dois amigos de longa data, Vaughn (Jack Lowden) e Marcus (Martin McCann), viajam até uma isolada vila escocesa para um final de semana onde possam caçar juntos. Mas nada os preparariam para o que iria acontecer. Atenção: Possíveis Spoilers a Seguir!
Marcus planeja uma viagem até uma vila da qual conhece bem para caçar com o amigo Vaughn, este que se tornará pai em breve, animado com sua primeira vez caçando chegam ao local e já começam a comemorar, bebem a noite toda e enquanto Marcus sai com uma moça, Vaughn segue a madrugada conversando com outra. Os habitantes são experientes caçadores e ficam curiosos sobre o local em que irão caçar. Na manhã Vaughn acorda de ressaca e esquece a sua arma, assim termina usando a de seu amigo mesmo sabendo da ilegalidade, ele encontra um cervo e se posiciona para atirar, só que no momento o animal foge e a bala atinge outro alvo, ele vai na direção e encontra o corpo de um menino, fica desesperado, não sabe como proceder e daí surge o pai da criança que depois de ver seu filho morto aponta a arma para Vaughn, mas a bala vem de outro ponto, Marcus mata o homem. A situação vai numa crescente de emoções, Vaughn fica impressionado com o acontecido e Marcus friamente articula os meios de se proceder, esconde os corpos e saem dali para irem em outro lugar e fingirem estarem caçando. Fica difícil para Vaughn esconder sua apreensão e age de maneira estranha perto dos outros, de madrugada eles seguem para o local e cavam uma cova para os corpos, essa parte é uma das mais aflitivas e que reflete muito sobre a moral diante de fatos acidentais, a linha entre o certo e errado é tênue e acompanhamos o declínio psicológico dos amigos. Depois de alguns dias o pessoal sai em busca dos desaparecidos, eles eram parentes de Logan (Tony Curran), o primeiro homem a recepcionar Marcus e Vaughn e perguntar sobre onde iriam caçar. O medo toma conta de Marcus e ele vai entrando numa certa paranoia, pois é visível a desconfiança do pessoal, eles dão indícios de que algo está errado e na noite em que a vila festeja saem para a floresta junto com os outros na procura, o desconforto e o desespero predomina até o momento em que finalmente encontram os corpos escondidos.

Até esse ponto da história o filme segue direto e apesar de ser mais atmosférico garante instantes de adrenalina por conta das decisões dos personagens, a partir do momento que são descobertos o rumo da trama toma formas um pouco duvidosas, os habitantes da vila decidem não envolver a polícia e sim promover uma vingança, mas não matando os dois e sim dando uma escolha para Vaughn. Esse tempo em que decidem o que fazer perde um pouco da realidade proposta, mas mesmo assim termina bem retratando até onde o ser humano é capaz de ir num momento de desespero para de algum modo resolver seus problemas.

"Calibre" é um ótimo suspense que se desenvolve com muita tensão e consegue fazer penetrar a angústia e a agonia vivida pelos personagens, a culpa e a perturbação gerada por causa das escolhas em frente ao desespero é terrível e triste, mas eles sabiam que as  consequências inevitavelmente mais cedo ou mais tarde chegariam. É interessante como o filme lida com as questões morais e coloca o espectador para refletir sobre o que faria se estivesse na pele deles, é fácil dizer que Vaughn foi passivo enquanto Marcus agiu e decidiu encobrir tudo, o fato é que quando algo inesperado acontece o que predomina é o desespero e ações imprevisíveis. A vida está totalmente nas mãos do acaso e num minuto tudo pode virar de cabeça pra baixo colocando os princípios e a moral em xeque.

quarta-feira, 18 de julho de 2018

Pela Janela

"Pela Janela" (2017) dirigido por Caroline Leone é um road movie simples, bonito e delicado, o cotidiano comum e tedioso é retratado com zelo e a naturalidade do desenvolvimento e a mudança nas emoções da protagonista preenchem a tela e nos arrebata sem artifícios e grandes acontecimentos. É a vida acontecendo...
Rosália (Magali Biff) é uma dedicada operária de 65 anos que dedicou a vida ao trabalho em um fábrica de reatores da periferia de São Paulo. Certo dia acaba demitida e é consolada pelo irmão José (Cacá Amaral), com quem vive. Ele resolve levá-la em uma viagem de carro até Buenos Aires com o objetivo de distraí-la e no país vizinho Rosália vê pela primeira vez um mundo desconhecido e distante de sua vida cotidiana.
No início acompanhamos a rotina de Rosália, desde o despertar, o preparo do café, a ida ao trabalho, seu empenho e responsabilidade na fábrica e novamente retornando à casa e seus afazeres domésticos, ela vive com o irmão José, que está indo para Buenos Aires entregar um carro para a filha de seu patrão, nesse meio tempo Rosália é demitida após a empresa se fundir a novos sócios e com isso novas regras, Rosália é despedida sem rodeios, mas ela ainda tenta no outro dia ser útil ao voltar lá, e é aí que ela sente o baque, sozinha e sem saber o que fazer se aquieta e chora em seu quarto, toda a sua vida era baseada na rotina do trabalho, ela foi moldada a partir disso. Então, o irmão muito preocupado acaba levando-a junto em sua viagem, ele também é devotado ao trabalho e se presta a mando do patrão a uma viagem exaustiva para levar um carro até a Argentina.
Rosália não fala nada sobre o assunto da demissão e José tenta distraí-la, mas as mudanças emocionais de sua irmã são sutis e expressadas em pequeníssimas doses, algo começa a mudar em seu interior quando em um hotel visualiza um simples quadro das cataratas do Iguaçu, e principalmente quando José decide levá-la para conhecer as imensas quedas d'água. Nesse momento o filme atinge uma sensibilidade grandiosa, a cena em que Rosália vai se entregando à força da natureza e deixando-se sentir as emoções que há tempos não sentia ou talvez nunca havia sentido carrega tanta beleza e significado que impressiona o espectador.

Rosália vai aos poucos adentrando e a câmera nos leva junto, sentimos o mesmo que a protagonista, somos tocados pela potência das águas, o som ensurdecedor e as nuvens de vapor que se formam, um espetáculo visual que marca o início da mudança de Rosália, depois disso ela está mais aberta e aproveita a viagem, José lhe diz sobre o como a Argentina e o Brasil apesar de estarem bem pertinhos são diferentes, a língua, por exemplo, e ela acha engraçado e sorri. Vai se deixando levar pelas novidades, pelas pessoas por quais passa e por consequência se renovando. A relação de Rosália com o ambiente é interessante e a incomunicabilidade com os locais rende bons momentos, como o diálogo entre ela e uma moradora de um prédio onde está hospedada, elas não se entendem na totalidade, mas existe uma troca importante e que ajuda na abertura de Rosália para a vida.

"Pela Janela" é um retrato sensível de uma mulher já madura que toma consciência de si própria após muitos anos atrelada e moldada apenas a seu trabalho, é uma história introspectiva e sensível que tem em sua protagonista, Magali Biff, a força maior, seu olhar diante os acontecimentos nos faz ter afeto e sorrir a cada pequena descoberta e olhar seu para com o novo, são momentos sutis, mas imensamente preciosos, como quando ensina bordado para uma moça e seu filho e, especialmente, quando canta a canção "Anahi" junto de seu irmão. Envolve por seus personagens reais e situações cotidianas, é simples e direto, mas ainda assim possui uma intensidade em toda a lenta transformação de Rosália.

terça-feira, 17 de julho de 2018

O Culto (The Endless)

"O Culto" (2017) dirigido por Aaron Moorhead e Justin Benson (Spring - 2014) tem na abertura uma citação de Lovecraft, que diz: "A emoção mais antiga e mais forte da humanidade é o medo, e o mais antigo e mais forte de todos os medos é o medo do desconhecido", e é na atmosfera de criaturas lovecraftianas que o filme se inicia, mas não se engane com o que parece ser simplesmente uma seita de adoração a seres extraterrestres, pois a história é uma reflexão contundente sobre a existência, as repetições, a rotina e o conformismo, de maneira intrigante o roteiro vai se desnovelando, porém sem dar respostas concretas, a percepção é individual.
Dois irmãos, Justin e Aaron, foram criados num culto religioso do qual fugiram quando Justin percebeu a possibilidade da ocorrência de um suicídio em massa. Dez anos depois recebem uma mensagem em vídeo bastante enigmática. Nela, um membro do culto fala de uma "ascensão" iminente e então resolvem regressar ao local aonde eram realizados os cultos em busca de respostas. Mas, ao chegarem, descobrem que o "culto" pode afinal não ser o que pensavam e começam a duvidar, inclusive, se serão bem-vindos.
Após anos longe da comunidade, que supostamente envolvia o suicídio em sua seita, o irmão mais novo Aaron contaminado pelo tédio da vida comum resolve depois de receber uma fita em vídeo falando sobre a "ascensão" voltar com o irmão para descobrir algo, ao chegarem se espantam com a aparência dos membros e, principalmente, Aaron decide que quer ficar, pois acredita que o ar puro, a comida e o modo de vida ali dê algum sentido na vida, com o passar dos dias as atitudes estranhas de todos e sinais confusos da natureza deixam Justin receoso, enquanto Aaron deseja permanecer, os dois cada um com uma perspectiva diferente irão explorar o lugar e acabam se deparando com situações inesperadas e intrigantes. 
O filme carrega uma atmosfera mística de terror e há bastante de ficção científica e fantasia, além do drama que o envolve, muitas metáforas permeiam a obra e a dupla de diretores que desdobram em inúmeras funções conseguem transportar o espectador para esse lugar misterioso e envolvente e dele extrair reflexões existenciais. 

O filme caminha para questões filosóficas, não fica somente nos mistérios que envolvem a seita e as criaturas extraterrestres, existe algo mais poderoso, justamente o desconhecido que fascina e amedronta o ser humano, a busca por respostas dos irmãos só acrescenta na narrativa e amplia as percepções quando se abrem as teias de linhas temporais, os ciclos infinitos, o eterno retorno; a rotina. A angústia e o desespero tomam conta dos irmãos que já não sabem exatamente aonde se encaixam nisto tudo, ao mesmo tempo cresce a curiosidade em tentar prosseguir nesse emaranhado e descobrir algum modo de fugir dali. O que se sucede cabe a cada um interpretar.

"O Culto" é um interessante filme que não fica apenas na fantasia, é um tanto louco pensar nesse processo cíclico em que vivemos, na rotina tediosa e que apesar de buscarmos formas de quebrá-la sempre retornamos a ela, como uma espécie de força que nos impulsiona para o mesmo. Causando um misto de estranhas sensações somos compelidos a refletir sobre essas questões. Um ótimo exemplar de horror/sci-fi que fisga pela inventividade e potência reflexiva. 

*Há uma conexão com um filme anterior dos talentosos Aaron Moorhead e Justin Benson, o também instigante "Resolution" (2012).

quarta-feira, 11 de julho de 2018

A Noite Devorou o Mundo (La Nuit a Dévoré le Monde)

"A Noite Devorou o Mundo" (2018) dirigido pelo estreante Dominique Rocher é um filme que aborda o apocalipse zumbi de forma realista e intimista, o medo do desconhecido, a solidão, a paranoia, tudo muito bem detalhado para que o espectador sinta todas as emoções vividas pelo protagonista.
Após uma noite de festa com muita bebida, Sam (Anders Danielsen Lie) acorda completamente sozinho no apartamento. Ainda confuso ele descobre um terrível acontecimento: a cidade de Paris está tomada por zumbis famintos. Rapidamente ele começa a proteger o prédio em que vive e elabora estratégias para conseguir manter-se vivo em meio a catástrofe. No entanto, ele ainda não tem certeza se é o único sobrevivente neste cenário hostil.
Sam chega ao apartamento da ex-namorada para buscar seus pertences, mas ao entrar lá se depara com uma festa regada a muita bebida, contrariado ele permanece e termina dormindo num quarto após receber uma pancada no nariz, no dia seguinte percebe algo estranho acontecendo e defronta-se com muito sangue no apartamento, de repente pessoas enlouquecidas estão atacando umas as outras e Sam se fecha no apartamento. Sua personalidade introspectiva faz com que aja com calma elaborando algumas etapas de sobrevivência, ele reflete muito nas possibilidades, o silêncio predomina e o olhar de Sam nos leva da agonia à tristeza, da solidão à ação, logo Sam começa a trancar as portas e se isolar no prédio, não há ninguém vivo além dele, todos em volta são mortos-vivos. A incompreensão do evento gera medo e incertezas, tenta armazenar alimentos e vedar os apartamentos com os "zumbis", em nenhum momento ele os ataca ou vai para fora, não tem a coragem que é tão comum em outros filmes e séries que pululam por aí, por isso o filme acerta e ganha boa parte dos espectadores, ao evidenciar um drama mais realista de quem não sabe de fato o que está acontecendo e o que virá.
As tomadas e ângulos de câmera dão a sensação de reflexão e Anders Danielsen Lie é perfeito para o personagem, seu semblante se encaixa neste tipo de desenvolvimento mais introspectivo, vide o depressivo Anders em "Oslo, 31 de Agosto" (2011). Mas isso não quer dizer que ele tenha apenas uma expressão em sua face, ao contrário, é através delas que percebemos suas alterações emocionais e vibrações, ele também é criativo, devido sua formação musical e por isso garante ótimas cenas em que improvisa com diversos objetos transformando os sons em melodias, além de ter duas ótimas cenas que destrói na bateria. 

O filme não faz questão de entregar respostas ou esclarecer o acontecimento, o que de fato importa é a reflexão que a história proporciona ao colocar uma pessoa totalmente sozinha tendo que lidar com uma situação completamente desconhecida e usando criativamente maneiras de sobreviver, até certo ponto Sam consegue se estabelecer e manter uma rotina, mas com o passar dos dias a solidão extrema entrega indícios de paranoia e desespero, sua mente se torna confusa e sua ânsia de sair do prédio é grande e se manifesta de modo caótico. Há passagens bem tensas de confronto consigo próprio e outras de alucinação aflitivas.

"A Noite Devorou o Mundo" é um estudo sobre a condição humana, do quanto de solidão suportamos, do medo dos acontecimentos que não se explicam, das ações desesperadas, do rompimento com a nossa consciência em horas decisivas, da nossa fragilidade e a nossa necessidade de fazer parte de algo. Muitas questões filosóficas se destacam e são evidenciadas com simplicidade e precisão coroada por uma profunda interpretação de Anders Danielsen Lie. Sem ilusões e floreios é um filme que engrandece e se sobressai dentro da temática mortos-vivos!

terça-feira, 10 de julho de 2018

A Livraria (The Bookshop)

"Entre livros, ninguém pode se sentir sozinho."

"A Livraria" (2017) dirigido por Isabel Coixet (Assumindo a Direção - 2014), adaptado do livro homônimo de Penelope Fitzgerald é uma fábula encantadora sobre o amor à literatura, a ambientação e a atmosfera da história fascina e apesar de carecer de alguma profundidade consegue homenagear lindamente a bibliofilia.
No final da década de 50, uma mulher (Emily Mortimer) recém-chegada em uma pacata cidade do litoral da Inglaterra decide abrir uma livraria. Contudo, sua iniciativa é vista com maus olhos pela conservadora comunidade local, que passa a se opor tanto a ela quanto ao seu negócio, obrigando-a lutar por seu estabelecimento.
Florence é uma viúva que coloca em prática seu desejo de abrir uma livraria numa pacata e retrógrada cidadezinha inglesa, ao mesmo tempo que é uma mulher delicada e paciente é também persistente e corajosa, ela então precisa enfrentar Violet Gamart (Patricia Clarkson), uma aristocrata que fica extremamente incomodada com sua ousadia e faz de tudo para que não consiga sucesso, inventa burocracias e usa de seu poder para isso, só que esse lado da história não é tão relevante, o que é maravilhoso de verdade são os habitantes que aos poucos vão sendo inseridos ao universo da literatura, ao abrir o local as pessoas não acreditavam que fosse dar certo, pois ali ninguém tinha o hábito da leitura, eram pessoas simples, mas conforme os dias a livraria começa fazer enorme sucesso, especialmente, quando um novo romance surge, "Lolita", de Nabokov, as vitrines logo se enchem desses exemplares e a população sente grande interesse pelo polêmico livro. Outro ponto a se destacar é a relação que Florence estabelece com Christine (Honor Kneafsey), uma garotinha esperta que é dona de frases incríveis e que por fim leva adiante o que tanto Florence sonhou, outro personagem interessante, mas não tão bem desenvolvido é Edmund Brundish (Bill Nighy), um recluso senhor e o único leitor do local, que no decorrer se apaixona por Florence e sua determinação e tenta ajudá-la a manter a livraria. Edmund também se encanta pela obra de Ray Bradbury, quando por ocasião Florence envia o exemplar de Fahrenheit 451. A relação dos dois se estreitam à medida que Florence envia os exemplares e Violet decide de fato acabar com seu estabelecimento. O roteiro fica na superficialidade, por exemplo, Violet deseja montar um centro cultural apenas para se aparecer e não porque tem amor envolvido, o poder que ela detém sobre todos e as maneiras mesquinhas com que age para derrubar Florence acaba ficando para segundo plano, pois o que realmente se sobressai é a beleza da ambientação, as estantes repletas de livros, a livraria em si esbanjando charme, a natureza ao redor, a sensibilidade de Florence, a sua inocência em meio a sua coragem, e todas as pessoas que de algum modo foram tocadas por seu sonho.

Aos amantes de literatura fará mais efeito, autores e títulos citados para conhecer, outros tão aclamados que na época eram novidade, as capas, as estantes, isso o filme exala com perfeição e mantém com encanto durante todo o tempo, o idealismo de Florence é também marcante mesmo ela tendo uma personalidade doce, e sua visão para introduzir livros que seriam grandes sucessos potencializa a alma da história. 
Dois personagens se sobressaem, a pequena Christine que possui personalidade forte e garante ótimos diálogos e que é impregnada sem saber pelo espírito de Florence. Um livro em especial é indicado a ela e isso fará com que dê seguimento ao sonho tão almejado de sua amiga. Outro é o coadjuvante James (Milo North), um jornalista desempregado que apresenta maneirismos esquisitos e que de mansinho se alia a Violet, muitos dos personagens não são explorados e suas atitudes se perdem, como no caso de Sr. Brundish, que inicialmente é recluso por conta de seu passado e odiar as fofocas sobre ele, mas que no decorrer se transforma em uma caricatura. 

"A Livraria" é uma fábula agradável, aconchegante e uma linda homenagem à literatura, nos arrebata pelo visual e é impossível não querer ir atrás do livro adaptado e todos os títulos citados, vasculhar alguns sebos e livrarias, arrumar sua estante e apreciar esse hábito tão delicioso que nos faz viajar, refletir e que nos afasta da solidão. 

sexta-feira, 6 de julho de 2018

Direções (Posoki)

 "A Bulgária é o país dos otimistas. Todos os realistas e pessimistas já foram embora"

"Direções" (2017) dirigido por Stephan Komandarev (O Mundo é Grande e a Salvação Espreita ao Virar a Esquina - 2008) é um filme excelente que retrata com peso as mazelas que assolam a Bulgária, corrupção, desemprego, injustiças, violência, uma crítica sócio-política pungente e humana, somos inseridos em um cenário desesperançoso e doloroso que inevitavelmente conversa com problemas que fazem parte de tantos outros lugares do mundo.
Durante uma reunião com o gerente de seu banco, um taxista descobre que a taxa que deveria pagar para obter um empréstimo dobrou. Ele quer preservar sua honestidade, mas não vê saída para sua situação. Desesperado, atira no gerente e depois em si próprio, desencadeando um grande debate nacional sobre como o desespero tomou conta da sociedade civil. Enquanto isso, cinco outros motoristas de táxi e seus respectivos passageiros se movem pela noite na esperança de encontrar um caminho mais claro. Um road movie sobre a despótica Bulgária contemporânea. 
A crise econômica agravante gera o declínio de valores, o prólogo nos apresenta uma inquietante história que repercutirá e fará com que as pessoas reflitam os seus modos de vida, Mihail (Vassil Vassilev) trabalha como taxista para complementar a renda e conseguir pagar as suas dívidas, mas cada vez mais ele se vê esmagado pelo sistema, confrontado por um agente que pretende penhorar seus bens decide recorrer a um empréstimo, porém o banqueiro exige o dobro da quantia inicialmente pedida como suborno e em um momento de desespero Mihail mata o banqueiro e logo após atira em sua cabeça, essa ação desencadeia debates nas rádios e enquanto isso vemos outros cinco taxistas, que se desdobram para complementar a renda ou mesmo por não ter emprego em suas áreas, passamos por diversas pessoas, a maioria desiludida e insatisfeita, alguns clientes mal-educados, já outros precisando de afeto e ajuda, dos taxistas o que mais se destaca é o professor de educação física que salva um homem do suicídio por achar que sua vida é uma vergonha, outro ainda, o corrupto, que ao ver um passageiro rico adultera o taxímetro e quando lhe diz o valor, o homem enraivecido o ataca e acaba transformando a situação num risível desastre. Há ainda o velhinho que acabara de perder seu filho e sofre por ninguém se importar, uma taxista que encontra um ex-colega que destruiu sua vida e deseja vingança e um padre que ao levar um homem até o hospital para receber um novo coração tenta lhe incutir esperança. 

O filme contém cenas e diálogos memoráveis, retrata com precisão a situação do país e o declínio dos valores, as pessoas sofrem e se viram como podem, as dívidas, a vergonha e a revolta ocasionadas pela crise dá espaço também para a intolerância e infelizmente atinge parte da grande população, a sensação de desilusão é o que impera e poucas são às vezes que a sensibilidade aparece, em alguns personagens ela está mais evidente, já em outros as decepções trataram de acobertá-la. 

"Direções" retrata uma Bulgária falida, mas muitos dos problemas retratados assolam inúmeros países do mundo, a partir do ato de Mihail a população começou a repensar a desigualdade e o como as leis que por mais que mudem nunca os beneficia, só ocasiona dor, raiva e momentos de desespero. 

sábado, 30 de junho de 2018

15 Filmes de Psicopatas (15 Psycho Movies)

Segue uma lista com 15 filmes de psicopatas, histórias com personagens instigantes, fascinantes, repulsivos, loucos, engraçados e memoráveis. 

15- "O Garoto Sombrio" (The Boy - 2015) EUA
Verão de 1989. Ted Henley (Jared Breeze), 9 anos, e seu pai, John (David Morse), são donos de um Motel em ruínas nas montanhas do oeste dos EUA. Desde que a mãe de Ted partiu, John está desanimado, levando Ted a cuidar de si mesmo. Em meio a solidão, Ted começa a manifestar impulsos estranhos relacionados a sociopatia, mas a chegada de um andarilho, William Colby (Rainn Wilson), cativa o jovem e eles formam uma amizade única.

14- "O Silêncio do Lago" (Spoorloos - 1988) Holanda
Rex, um jovem alemão, e Saskia sua namorada viajam para o feriado, e ao pararem em uma estação de serviços, Saskia desaparece misteriosamente. Rex dedica os próximos três anos de sua vida tentando achar seu amor desaparecido, quando passa a receber estranhos cartões do suposto sequestrador de Saskia.

13- "Aconteceu Perto da Sua Casa" (C'est Arrivé Près de Chez Vous - 1992) Bélgica


O protagonista, Ben (Benoît Poelvoorde), ganha a vida matando, diariamente. Mata a torto e a direito todo tipo de deserdados da sorte, jamais um milionário. Para Ben, "se você mata uma baleia, será perseguido pelos ecólogos, pelo Greenpeace, pelo comandante Custeau... mas se você fatura um cardume de sardinhas, garanto, eles te ajudam a carregá-las." Para demonstrar o que diz, Bem aceita ser acompanhado por uma equipe de reportagem.

12- "Segredos de Sangue" (Stoker - 2013) EUA/UK
Em pleno luto por causa da morte de seu pai, India (Mia Wasikowska) deve lidar com o novo comportamento agressivo de sua mãe (Nicole Kidman) e com a chegada inesperada de um tio que ela nem sabia que existia, Charlie (Matthew Goode). Este homem sombrio esconde as reais motivações de sua visita, enquanto seduz as duas mulheres da família.
É um filme que explora a hereditariedade da psicopatia, uma relação em certo ponto incestuosa, recheada de crime, violência estilizada e até momentos reflexivos. Saiba+

11- "The Brain Man" (Nô Otoko - 2013) Japão
Baseado no premiado romance de Shudo Urio, Suzuki Ichiro é um misterioso assassino, dotado de inteligência, excelente memória e habilidade física, que comete seus crimes em nome da justiça e recebe o apelido de "Nô Otoko" (Homem Cérebro).

10- "Cold Fish" (Tsumetai Nettaigyo - 2010) Japão
Shamoto (Mitsuru Fukikoshi) foi espancado até a submissão pelas exigências da vida mundana. Ele tem um estranho relacionamento com sua segunda esposa que ainda não foi aceita por sua filha adolescente e rebelde, Mitsuko. A única alegria na vida de Shamoto é uma loja de pequenos peixes tropicais. Quando Mitsuko é pega furtando, Murata (Denden) ajuda Shamoto a resolver as coisas com o gerente da loja. Murata, dono de uma loja de peixes tropicais chamada Amazon Gold, imediatamente cria um vínculo com Shamoto e se oferece para ajudar a filha rebelde, dando-lhe um trabalho com casa e comida. O conflito entre Mitsuko e sua madrasta parece estar finalmente resolvido. Shamoto é arrastado para o negócio de Murata sem saber que por trás de seu comportamento amigável esconde um sociopata perigoso. Murata e sua esposa têm um histórico de fraudes e assassinatos, desaparecimento de vítimas de forma elaborada, ritualista e terrível. Levado pelo charme descontraído de Murata, Shamoto percebe a verdadeira natureza do homem tarde demais e se vê envolvido nos crimes sangrentos de um homem louco. 

09- "O Silêncio" (Das Letzte Schweigen - 2010) Alemanha
Em uma pequena cidade na Alemanha, Sinikka (Anna Lena Klenke), de 13 anos, desaparece. A bicicleta da menina é encontrada exatamente no mesmo local onde uma garota foi morta, 23 anos antes, em 1986. Pessoas envolvidas com o caso de 23 antes anos antes são suspeitas do desaparecimento de Sinikka. 
Um ótimo filme, surpreendente pelo final onde acontece exatamente o que não queremos que aconteça. Realmente os psicopatas se reconhecem e sempre se guiam pelo olhar. Saiba+

08- "O Monstro de Martfüi/Estrangulado (A Martfüi Rém - 2016) Hungria
Hungria, 1960. A pequena cidade de Martfű está sofrendo com os horrores que tomaram conta da região: um assassino sanguinário está à solta tirando a vida de várias pessoas. Obcecado em encontrar o culpado, o detetive designado para o caso está sendo fortemente pressionado pelo promotor a condenar alguém e, isso fará com que um homem que nunca poderia ter cometido tais crimes seja acusado.
Um filme  inspirado em uma história real perturbadora e indigesta sobre um serial killer de uma pequena cidade da Hungria, no período socialista entre 1957 a 1964. A atmosfera sombria e a abordagem crua cria sensações angustiantes e o desenvolvimento por mais que não crie tensão causa mal-estar, pois não esconde a violência e a agonia vivenciada. Saiba+

07- "Rattle the Cage" (Zinzana - 2015) Emirados Árabes Unidos
Preso em uma cela em uma remota delegacia de polícia, um homem chamado Talal (Saleh Bakri) é torturado por visões de sua amada ex-esposa e filho. Quando o oficial Daban (Ali Suliman) de uma cidade vizinha aparece, a visita amigável de repente se transforma em um banho de sangue. Estar atrás das grades agora é o menor dos problemas de Talal, quando ele é forçado a jogar o jogo de um sádico psicótico para salvar vidas de sua família.

06- "Enquanto Você Dorme" (Mientras Duermes - 2011) Espanha
César (Luis Tosar) é o porteiro de um prédio em Barcelona cuja razão de viver é atormentar os residentes. Ele conhece todos os detalhes íntimos dos moradores e se esforça diariamente para destruir suas vidas. Seu mais novo alvo é Clara (Marta Etura), a moradora do apartamento 5B, cujo jeito alegre incomoda Cesar. Ele decide fazer de tudo para tirar o sorriso do rosto da moça.
Uma mistura sensacional de drama e suspense. Mostra o dia a dia no condomínio sob os olhos de César, um psicótico. Ele controla tudo e todos e possui uma estranha obsessão pela moradora Clara, uma moça muito feliz e que sempre está com um sorriso estampado no rosto, ele porém, nasceu sem a capacidade de sentir felicidade. Saiba+

05- "Na Próxima, Acerto no Coração" ( La Prochaine Fois je Viserai le Coeur - 2014) França
Oise, França, 1978. Franck Neuhart (Guillaume Canet) é um policial que, nos dias de folga, comete frios assassinatos ao matar jovens mulheres a quem dá carona. Ninguém tem a menor pista de quem seja o autor dos crimes, sendo que o batalhão onde Franck trabalha é responsável pela investigação. Sem conseguir conter a ânsia em matar, Neuhart começa a se envolver com a jovem Sophie (Ana Girardot), que trabalha em sua casa e é perdidamente apaixonada por ele.
 Baseado num dos casos mais estranhos registrados na França, segundo os créditos iniciais, "Na Próxima, Acerto no Coração" (2014) dirigido por Cédric Anger é um suspense psicológico protagonizado por Guillaume Canet (L'homme que l'on Aimait Trop - 2014), um cara doente que não controla sua necessidade de matar, mas que ao longo vai se enroscando em seus próprios atos, pois deixa algumas de suas vítimas apenas machucadas. Saiba+

04- "Eu, Olga Hepnarová" (Já, Olga Hepnarová - 2016) Rep. Tcheca
Olga Hepnarová era uma jovem solitária, membro de uma família de coração frio, que não poderia fazer o papel que a sociedade designou à ela. Sua paranoica autoavaliação e a incapacidade de se conectar com outras pessoas levou-a ao limite da humanidade quando tinha apenas 22 anos de idade. O filme mostra o ser humano por trás da assassina em massa sem glorificar ou minimizar o crime que ela cometeu. Guiado por suas cartas, nos aprofundamos na psique de Olga e testemunhamos o agravamento da sua solidão e alienação enquanto reconstruímos os eventos que levaram às suas ações desastrosas.
A sobriedade do filme impressiona e assusta, a atmosfera de solidão e angústia é ampliada pela fotografia em preto e branco, é uma obra que seduz e ao mesmo tempo desconcerta.  Saiba+

03- "Canibal" (Caníbal - 2013) Espanha
Carlos é o alfaiate de maior prestígio em Granada, mas ele também é um assassino nas sombras. Ele não sente nenhum remorso, nenhuma culpa, até que Nina aparece em sua vida. Ela vai fazê-lo perceber a verdadeira natureza de seus atos, e pela primeira vez o amor desperta. Carlos é o mal encarnado, inconsciente de si mesmo. Nina é pura inocência. E Canibal é história de amor de um demônio.
"Canibal" tem uma fotografia excelente e uma movimentação de câmera que nos permite observar detalhes, é um drama denso que diz sobre as dificuldades de relação e o quão longe uma mente perturbada pode ir. Há cenas memoráveis que aterrorizam, não pelo fato da ação, mas justamente pelo contrário, a tensão que alguns acontecimentos causam. Saiba+

02- "Os Olhos da Minha Mãe" (The Eyes of My Mother - 2016) EUA 
Francisca (Kika Magalhaes) filha de imigrantes portugueses vive isolada com a família em uma fazenda no interior dos EUA. Quando pequena sua mãe (Diana Agostini) a ensinou os segredos do seu antigo ofício, ela era cirurgiã oftalmologista em Portugal, a menina é curiosa e a vemos nessa aparente natural relação aprendendo, até que um dia um estranho (Will Brill) entra na casa e mata brutalmente sua mãe.
Um filme de horror que prima pelo visual, o preto e branco dá o diferencial e evidencia o peso que a trama carrega, o silêncio e a solidão ganham corpo e se tornam palpáveis. O clima melancólico é ao mesmo tempo incômodo e poético, o macabro é cru; a angústia, a maldade, a ausência vivida pela protagonista é tão pungente que causa repulsa e também fascínio. Saiba+

01- "Aleluia" (Alleluia - 2014) França
Michel (Laurent Lucas) é um cara um pouco perdido, mas terrivelmente sedutor, que se apossa das economias das mulheres que sucumbem ao seu charme. É um predador. Na melhor das hipóteses, ele as trucida e vai embora com o dinheiro. Até que encontra Glória (Lola Dueñas), uma ibérica marcada por uma existência triste, que se apaixonará completamente pelo belo passante que ela não vai mais largar. Começa então uma odisseia sangrenta, na qual os dois amantes irão se afundar na loucura.
Conta uma história macabra de forma fria do encontro de duas pessoas perturbadas que se gostam, se complementam e se alimentam da loucura. Saiba+
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...