quinta-feira, 17 de outubro de 2019

Coringa (Joker)

"Coringa" (2019) dirigido por Todd Phillips (Cães de Guerra - 2016) é uma obra-prima desconfortável e perturbadora inspirada num dos mais icônicos personagens da cultura pop, o supervilão Coringa, mas a abordagem se afasta completamente do universo de heróis e vilões e nos introduz à um estudo de personagem visceral e extremamente decadente.
Gotham City, 1981. Em meio a uma onda de violência e uma greve dos lixeiros que deixou a cidade imunda, o candidato Thomas Wayne (Brett Cullen) promete limpar a cidade na campanha para ser o novo prefeito. É neste cenário que Arthur Fleck (Joaquin Phoenix) trabalha como palhaço para uma agência de talentos, com uma agente social o acompanhando de perto, devido aos seus conhecidos problemas mentais. Após ser demitido, Fleck reage mal à gozação de três homens de Wall Street em pleno metrô. A atitude inicia um movimento popular contra a elite de Gotham City, da qual Thomas Wayne é seu maior representante.
Ambientado na década de 80 numa Gotham melancólica e suja acompanhamos a derrocada psíquica de Arthur, um homem que vive a miséria na sua forma mais cruel, desajustado lida com uma patologia, ele ri incontrolavelmente quando na verdade o que sente é o oposto, seu maior sonho é ser um comediante e delira assistindo o programa de seu ídolo Murray (Robert De Niro) juntamente de sua doente mãe, essa que o chama de "happy", Arthur se sente deslocado até em meio de seus companheiros de trabalho, nas ruas apanha e é humilhado por conta de sua aparência frágil e sua condição que não é devidamente assistida, é sempre tratado com apatia ou descaso e quando os medicamentos e a assistência são cortadas por falta de verbas tudo começa a desmoronar de vez tanto dentro de si como externamente.
A narrativa se entrelaça brilhantemente entre a realidade e os delírios de Arthur, se mistura de forma harmoniosa e ao mesmo tempo chocante. O sofrimento gradual o transforma, é uma série de ações e tristezas que o levam a se tornar nesta figura que vê na violência uma saída, todas as vulnerabilidades e fragilidades se convertem em perversidades e desejo de caos. Impressionante, densa e primorosa a entrega de Joaquin Phoenix, não há um segundo sequer que ele não provoque desconforto com suas nuances e camadas expostas em cena, como sua sinistra e constrangedora risada compulsiva ou seus movimentos corporais elásticos, especialmente nas danças que sempre marcam momentos de mudanças.

"Você faz as mesmas perguntas todos os dias. ‘Como vai seu trabalho? Está tendo pensamentos negativos?’ Só o que eu tenho são pensamentos negativos."

O filme tem uma grande abertura para interpretações, atinge a cada um de uma maneira, particularmente senti muita tristeza, a melancolia que emana chegou tão forte em mim que não houve um instante da história que achasse graça, a dor e a humilhação constante de Arthur gera desespero e uma sensação de deslocamento com a própria existência, ele mesmo questionou durante toda a vida se realmente existia, são inúmeras frases pertinentes que ficam ecoando, como: "A pior parte de ter uma doença mental é que as pessoas esperam que você se comporte como se não a tivesse", por todo o tempo ele foi invisível, descartado e pisoteado pela sociedade e só é visto quando age pela violência, uma evidência clara do quão apático e doente se encontra o meio.

"Coringa" é um filme transgressor, sombrio, sério e conflituoso, retrata as pústulas da sociedade e a violência como meio para provocar e refletir, a sua forma pode gerar polêmicas, cabe a interpretação de cada um, mas é absolutamente uma obra marcante e belamente bem concebida. 

sexta-feira, 11 de outubro de 2019

20 Filmes Sobre Depressão (20 Movies About Depression)

Segue uma lista de filmes que retratam as diversas facetas e estágios da depressão, todos de maneira séria e importante refletem e produzem reflexões acerca dessa doença que cada vez mais assola a sociedade. Confira:

20- "Geração Prozac" (Prozac Nation - 2001) EUA
Elizabeth Wurtzel (Christina Ricci) é uma brilhante estudante, que tem planos de estudar jornalismo na conceituada universidade de Harvard. Entretanto problemas familiares fazem com que Elizabeth entre em profunda depressão, o que coloca seus planos em risco. Aos poucos suas noites de trabalho, sempre regadas a drogas, e sua instabilidade emocional a afastam de Ruby (Michelle Williams), sua melhor amiga, e também de seu namorado. Decidida a procurar ajuda profissional, Elizabeth marca uma consulta com a Dra. Diana Sterling (Anne Heche), que lhe receita o antidepressivo Prozac.

19- "Melancolia" (Melancholia - 2011) Dinamarca/Suécia/França/Alemanha
O tempo só serviu para afastar as irmãs Justine (Kirsten Dunst) e Claire (Charlotte Gainsbourg). Nem o casamento entre Justine e Michael (Alexander Skarsgård) serve como desculpa para aproximá-las e, depois da cerimônia, Justine começa a ficar triste e melancólica. Quando o anúncio sobre a colisão da Terra com outro planeta chega ao conhecimento, as reações são bem diferentes. Justine está conformada, enquanto o desespero do iminente fim apavora Claire. 

18- "As Virgens Suicidas" (The Virgin Suicides - 1999) EUA
Durante a década de 70, o filme enfoca os Lisbon, uma família saudável e próspera que vive num bairro de classe média de Michigan. O sr. Lisbon (James Woods) um professor de matemática e sua esposa uma rigorosa religiosa, mãe de cinco atraentes adolescentes, que atraem a atenção dos rapazes da região. Porém, quando Cecília (Hanna R. Hall), de apenas 13 anos, comete suicídio, as relações familiares se decompõem rumo a um crescente isolamento e superproteção das demais filhas, que não podem mais ter qualquer tipo de interação social com rapazes. Mas a proibição apenas atiça ainda mais as garotas a arranjarem meios de burlar as rígidas regras de sua mãe.

17- "O Substituto" (Detachment - 2011) EUA
Henry Barthes (Adrien Brody) é um professor de ensino médio, que apesar de ter o dom nato para se comunicar com os jovens, só dá aulas como substituto, para não criar vínculos com ninguém. Mas quando ele é chamado para lecionar em uma escola pública, se encontra em meio à professores desmotivados e adolescentes violentos e desencantados com a vida, que só querem encontrar um apoio para substituir seus pais negligentes ou ausentes. Sofrendo uma crise familiar, Henry verá três mulheres entrando em sua vida e vai começar a perceber como ele pode fazer a diferença, mesmo que isso venha com um alto custo. Saiba+

16- "Cake - Uma Razão Para Viver" (Cake - 2015) EUA
Claire Simmons (Jennifer Aniston) é uma mulher traumatizada e depressiva, que busca ajuda em um grupo para pessoas com dores crônicas. Lá, ela descobre o suicídio de um dos membros do grupo, Nina (Anna Kendrick). Claire fica obcecada pela história desta mulher, e começa a investigar a sua vida. Aos poucos, começa a desenvolver uma relação inesperada com o ex-marido de Nina, Roy (Sam Worthington).

15 - "Um Novo Despertar" (The Beaver - 2011) EUA
Walter Black (Mel Gibson) é o presidente de uma indústria de brinquedos. Ele sofre de depressão, o que faz com que se torne cada vez mais distante da esposa Meredith (Jodie Foster) e dos filhos Porter (Anton Yelchin) e Henry (Riley Thomas Stewart). Um dia, ao jogar o lixo fora, ele encontra o castor, um bicho de pelúcia no qual é possível colocar o braço. Logo em seguida Walter tenta o suicídio, mas fracassa. A partir de então, já com o castor, ele assume uma nova identidade e passa a se comunicar através do boneco. O castor permite que Walter volte à vida, no trabalho e junto à família, mas aos poucos ele passa a sofrer um conflito de identidades. Saiba+

14- "O Babadook" (The Babadook - 2014) Austrália/Canadá
Seis anos já se passaram desde a morte de seu marido, mas Amelia (Essie Davis) ainda não superou a trágica perda. Ela tem um filho pequeno, o rebelde Samuel (Noah Wiseman), e tem dificuldades para amá-lo. O garoto sonha diariamente com um monstro terrível e ao encontrar um livro chamado "The Babadook" reconhece imediatamente seu pesadelo. Certo de que Babadook deseja matá-lo, o menino começa a agir irracionalmente, para desespero de Amélia.

13- "Manchester à Beira-Mar" (Manchester by the Sea - 2016) EUA
Lee Chandler (Casey Affleck) é uma espécie de faz-tudo do pequeno complexo de apartamento onde vive, no subúrbio de Boston. Ele passa seus dias tirando neve das portas, consertando vazamentos e fazendo o possível para ignorar a conversa de seus vizinhos. Em suas noites vazias, Lee bebe cerveja no bar local e arruma confusão com qualquer um que lhe lançar um olhar. Quando seu irmão mais velho morre, ele recebe a desagradável surpresa de sua nomeação como tutor de seu sobrinho. De volta à sua cidade natal, ele terá que lidar com memórias queridas e dolorosas. Saiba+

12- "Christine - Uma História Verdadeira" (Christine - 2016) EUA
No ano de 1974, Christine Chubbuck (Rebecca Hall), ambiciosa e talentosa repórter de uma emissora local de televisão, entra em crise por frustrações profissionais e amorosas e toma uma decisão que os telespectadores em Sarasota, Flórida, jamais esquecerão. Baseado numa história real. Saiba+

11- "Anomalisa" (2016) EUA
Michael Stone (voz de David Thewlis) é um palestrante motivacional que acaba de chegar à cidade de Cincinnati. Ele segue do aeroporto direto para o hotel, onde entra em contato com um antigo caso para que possam se reencontrar. A iniciativa não dá certo, mas Michael logo se insinua para duas jovens que foram ao local justamente para ver a palestra que ele dará no dia seguinte. É quando ele conhece Lisa (voz de Jennifer Jason Leigh), por quem se apaixona. Saiba+

10- "Meu Irmão Quer se Matar" (Wilbur Wants To Kill Himself - 2002) Dinamarca
Wilbur (Jamie Sivens) é um suicida crônico: ele sempre busca meios de se matar, mas nunca consegue ter sucesso. As várias tentativas frustradas fazem com que compareça regularmente a um grupo de debates composto por outros suicidas, onde conhece uma médica (Julia Davis) que se interessa por ele. Wilbur é também uma grande preocupação para Harbour (Adrian Rawlings), seu irmão, que tenta de todas as formas tirar de sua cabeça a idéia de suicídio. A vida dos irmãos muda quando conhecem Alice (Shirley Henderson), que entra na livraria deles para vender alguns livros que encontrou no hospital onde trabalha. Alice e sua filha Mary (Lisa McKinlay) enfrentam problemas financeiros, que são resolvidos quando ela se envolve com Harbour. Alice e Mary se mudam para casa que fica sobre a livraria, formando com Harbour e Wilbur uma família.

09- "Pessoas-Pássaro" (Bird People - 2014) França
Após chegar em Paris, um engenheiro de informática americano (Josh Charles), submetido a pressões familiares e profissionais, desliga seu celular e seus aparelhos eletrônicos e decide mudar radicalmente o curso de sua vida. Duas horas depois, Audrey (Anaïs Demoustier), uma jovem camareira do hotel, que vive entre o devaneio e a depressão, vê sua vida mudar após presenciar um evento sobrenatural. Saiba+

08- "Sala do Suicídio" (Sala Samobójców - 2011) Polônia
Dominik é um garoto comum. Ele tem um monte de amigos, pais ricos e dinheiro para gastar em roupas de marca. Mas um beijo inocente com um colega muda tudo. Ele sofre bullying e começa a isolar-se do mundo exterior, vivendo todo o seu tempo em seu computador. Ele conhece uma garota anônima que lhe apresenta a "sala suicida", um lugar do qual não há escapatória. Pego em uma armadilha tecida por suas próprias emoções, Dominik torna-se enredado numa teia de intrigas e gradualmente perde o que ele mais aprecia. Saiba+

07- "Gosto de Cereja" (Ta'm e Guilass - 1997) Irã
Badii é um senhor amargurado que quer cometer suicídio, mas para fazer isso quer que alguém o ajude - como enterrá-lo no local adequado, por exemplo. Todos se recusam por várias diferentes razões, até que encontra um turco que também tentou se suicidar no passado.

06- "Adeus" (Goodbye Solo - 2008) EUA
Solo (Souléymane Sy Savané) é um motorista de táxi senegalês em Winston-Salem, Carolina do Norte, trabalhando duro para sustentar sua família e sua criança. Quando um passageiro William (Red West), um velho com aparentemente nada para viver, Solo se vê em uma missão pessoal: convencer William de que a vida vale a pena viver, apesar da insistência de William de se suicidar. À medida em que eles revelam mais de suas vidas, os dois percebem que eles precisam um do outro. Saiba+

05- "Os Famosos e os Duendes da Morte" (2009) Brasil/França
Em uma cidade em que cada um de seus habitantes sonha em segredo, o menino sem nome conhece a garota sem pernas, que lhe mostra um mundo no qual ele embarca como alguém que nunca mais deseja voltar à realidade. Para o menino, a vida virtual é a única verdade. Mas a garota parte para outro mundo, deixando imortalizada sua história em vídeos e fotos na internet. A partida da única pessoa da cidade com quem ele se identifica deixa o menino ainda mais sozinho. Guiado pela música de Bob Dylan, ele mergulha em suas lembranças até o surgimento de Julian, uma figura misteriosa que desencadeia uma série de acontecimentos em sua vida até então previsível. Saiba+

04- "Náufrago da Lua" (Kimssi Pyoroogi - 2009) Coreia do Sul
Um homem tenta se suicidar jogando-se no rio Han, mas acaba acordando às margens de uma praia de uma ilhota. Após mais algumas tentativas patéticas de suicídio, ele encontra refúgio dos problemas da vida moderna no isolamento total. Uma mulher que mora em um condomínio com vista para o rio também vive uma vida isolada, trancada em seu quarto, usando a internet como único contato com o mundo exterior. Um dia, com uma luneta, ela avista um homem vivendo sozinho numa ilha, sua vida solitária porém extraordinária desperta sua curiosidade encorajando-a aos poucos a sair desta vida de isolamento.

03- "O Estranho em Mim" (Das Fremde in Mir - 2008) Alemanha
Um jovem casal apaixonado, Rebecca, 32 anos, e seu namorado Julian, 34, está ansiosamente esperando seu primeiro filho. O mundo deles parece perfeito quando Rebecca dá à luz a um menino saudável. Mas ao invés do amor incondicional que esperava sentir, ela se vê imersa num redemoinho de sensações de impotência e desespero. Seu próprio filho lhe parece um estranho. Com o passar dos dias, fica cada vez mais aparente sua inabilidade para cumprir com as obrigações maternas. Incapaz de admitir seus sentimentos para alguém, nem mesmo para Julian, ela desce ao fundo do poço, a ponto de perceber que está se tornando uma ameaça à criança. Depois de um ataque de nervos, Rebecca é mandada para uma clínica. Lentamente, ela começa a desejar o toque, o cheiro e a risada de seu filho. Talvez um despertar da mãe que há dentro dela... Saiba+

02- "Oslo, 31 de Agosto" (Oslo, 31. August - 2011) Noruega
Anders (Anders Danielsen Lie) está se recuperando do vício em drogas numa clínica de reabilitação em Oslo. No dia 30 de agosto ele ganha a permissão para sair da casa de tratamento, visitar seu amigo Thomas (Hans Olav Brenner) e ir em uma entrevista de emprego no centro da cidade. Durante seu dia e noite na cidade, Anders será confrontado com seus erros do passado e irá refletir sobre sua própria existência. Saiba+ 

01- "As Faces de Helen" (Helen - 2009) Alemanha/Canadá/EUA/UK
Helen Leonard (Ashley Judd) é uma mulher bem-sucedida que tem um casamento feliz e um relacionamento harmonioso com sua filha. Porém, existe algo que ela tenta esconder: sua bipolaridade, que surge em surtos devastadores, transformando sua maneira de enxergar a vida. Agora, sua família e seus amigos tem a missão de fazê-la perceber que a vida continua bela. Saiba+

quarta-feira, 9 de outubro de 2019

Midsommar: O Mal Não Espera a Noite (Midsommar)

"Midsommar" (2019) dirigido por Ari Aster (Hereditário - 2018) é uma obra que trabalha sentimentos de perda e luto de maneira estarrecedora, sua aura solar impregnada por símbolos pagãos absorvem o espectador numa atmosfera inebriante e pulsante, muito se assemelha ao terror folk de "O Homem de Palha" - 1973, pelo fato de conter elementos macabros e utilizar cultos pagãos num cenário diurno, o medo é trabalhado de variadas formas sempre colocando o quanto o diferente e a cultura do outro assusta, explora suas camadas com inteligência e fornece olhares diversos promovendo reflexões profundas, além de perturbar com sua luminosidade e fascinar por seus mistérios. 
Após vivenciar uma tragédia pessoal, Dani vivida pela ótima Florence Pugh - "Lady Macbeth" - 2016, vai com o namorado Christian (Jack Reynor) e um grupo de amigos até a Suécia numa viagem para um festival de verão único em uma remota vila sueca. O que começa como férias despreocupadas de verão em uma terra de luz eterna toma um rumo sinistro quando os moradores do vilarejo convidam o grupo a participar de festividades que tornam o paraíso pastoral cada vez mais preocupante e visceralmente perturbador.
A única parte escura do filme é o seu início quando retrata Dani preocupada com a irmã bipolar e com sua relação com o namorado Christian, que claramente está sufocado, mas adia o término do relacionamento criando um círculo de dependência que faz Dani sofrer, angustiante acompanhar o modo como Dani reage à tragédia envolvendo sua família, ela suporta o sofrimento calada, não demonstra tristeza para o namorado e quando percebe que precisa colocar para fora sai da presença dele e sozinha chora e grita. Convidados por Pelle (Vilhelm Blomgren) viajam para a Suécia a fim de conhecerem sua família e celebrarem o festival de solstício de verão numa pequena comunidade chamada Harga, junto deles vão Josh (William Jackson Harper) e Mark (Will Poulter), amigos com comportamentos tão chatos e escrotos quanto o do próprio Christian para com Dani, inicialmente ela não estava convidada, mas toda a situação a levou a querer ir e Pelle se mostrou bastante empático e receptivo, então chegando lá somos apresentados ao edênico local e no decorrer vamos observando toda a festividade que acontece a cada 90 anos e tem a duração de 9 dias. 

O filme faz questão de mostrar que se trata de uma fábula, um conto de fadas sombrio à la Grimm, mesmo se passando na mais completa resplandecência, logo em seu começo observamos uma espécie de prenúncio, um quadro que possui desenhos/símbolos que denotam toda a trajetória da história, há muitas referências no seu decorrer, como as pinturas e outros diversos elementos bem explícitos, porém todo o mistério é mantido e permanece intacto nos levando para algo completamente único e peculiar, rituais de sacrifício, fertilidade, prosperidade, uma comunidade extremamente unida e feliz repleta de segredos e regras de sobrevivência.

Tudo é muito bonito, as flores coloridas e tão vivas impressiona e geram efeitos de bem-estar, acolhimento e liberdade, quase sempre o pessoal está usando substâncias psicotrópicas naturais e Dani tem várias bad trip e sensações de que a natureza se apodera dela. O que seria uma maneira de o casal se reconciliar termina por ser um aliviante e intenso recomeço para Dani, o lugar a abraça num momento sensível e a faz eliminar suas angústias e sofrimentos, vide a cena de catarse lá pelo final entre ela e as meninas, a partir do instante que ela começa a ajudar nos afazeres e a se integrar nos rituais sua mente e seu corpo dão indícios de que ali é seu lugar. Impressionante o como o terror é sutil e tão cheio de detalhes, a cultura exposta contendo autoimolação, canibalismo, sacrifícios, rituais de fertilidade e feitiços podem soar bárbaros a alguns, mas para outros um motivo de estudo e compreensão numa perspectiva antropológica, também pode-se gerar algum riso, já que há uma certa mania de desdenhar de algo que não se possui o conhecimento.

"Midsommar" é um filme esteticamente impecável, perturba pela sua claridade e o ar de deslocamento que provoca, as tradições ancestrais são detalhadas, belas canções e danças folclóricas são exibidas, vários rituais brutais e cerimônias baseadas na mitologia nórdica, elementos e símbolos intrigantes, o mistério das runas e toda a festividade envolvendo o solstício gera bastante curiosidade. É um exemplar perfeito para quem curte filmes que abraçam a temática de cultos pagãos e inserem um potente e complexo drama dentro desse contexto.

quinta-feira, 3 de outubro de 2019

Yomeddine - Em Busca de um Lar (Yomeddine)

"Yomeddine" (2018) dirigido pelo egípcio A.B. Shawky é um filme sutil, emocionante e humano, retrata com espirituosidade a vida de um homem simples que vive à margem por conta de sua aparência, pois durante a infância sofreu de lepra/hanseníase, vivendo em uma comunidade excluída do resto da sociedade passa seus dias coletando lixo e conversando com um menino órfão que sofre bullying dos demais. O ator Rady Gamal realmente sofreu com a doença e lida com as consequências, ele interpreta a si mesmo e por isso a naturalidade faz parte da narrativa, a vida real é exposta com sensibilidade e muita esperança apesar de toda as enormes dificuldades, preconceitos e julgamentos, é uma jornada de descoberta e de afirmação.
Beshay (Rady Gamal) é um coletor de lixo que decide sair do confinamento de uma colônia de leprosos pela primeira vez e embarca em uma jornada ao Egito para procurar sua família. Ele viaja com seu burro e seu aprendiz órfão ao longo do Nilo e, pela primeira vez, fica cara a cara com a maldição de ser um estranho.
Beshay foi deixado pelo pai ainda criança numa instituição que tratava a doença e os separavam do restante da sociedade, muitos desses pais, assim como o de Beshay nunca mais apareceram e essa comunidade se transformou numa família de isolados para sempre marcados pela doença, apesar de não transmitir mais a infecção as limitações e marcas  de Beshay são profundas, nessa colônia também existe um manicômio do qual sua mulher está internada e um orfanato que se encontra o seu fiel amigo Obama (Ahmed Abdelhafiz), rejeitado pelos outros meninos, parte dessa rejeição de Obama é por ser Núbio, o filme esbarra sutilmente nessa problemática de preconceito no país.
Tudo realmente começa quando Beshay resolve sair em busca de suas raízes apenas com algumas trouxas e seu burrinho, o garoto vai atrás mesmo contra a vontade de Beshay, nesse momento acompanhamos a estafante jornada de duas pessoas marginalizadas e absolutamente invisíveis à sociedade, eles buscam um pouco sobre si mesmos e nessa caminhada vão se deparando com muito preconceito, fome, miséria e descaso, só encontram acolhimento e empatia daqueles que também estão à margem e que partilham do sofrimento de não serem vistos como seres humanos. O sentimento amargo de que são considerados lixos ultrapassa a tela e promove um olhar empático para com essas pessoas e nos faz refletir no quanto se julga apenas pela aparência, numa sociedade hipócrita, individualista e arrivista são incômodos e tratados com nojo. O filme possui um tom alegre na maioria do tempo, afinal retratar com peso seria arriscado a cair num melodrama ou de incutir sentimentos de comiseração. 

Uma das partes mais chocantes é quando ele está no trem e por não ter o bilhete é chacoalhado como se fosse um saco de lixo e indignado grita: "eu sou um ser humano", essa viagem é permeada de obstáculos cruéis, se submetem a muitas coisas e perdem muito pelo caminho, mas claro que também ganham, o amor um pelo outro, o carinho e a proteção. Beshay chega ao lugar que quis e percebe que a sua família é estar junto de Obama, pois esse nunca o abandonou. Há outra questão importante na história que é sobre a crença religiosa, o título mesmo em árabe se refere ao dia do julgamento, Beshay faz parte de uma minoria da população egípcia que pertence à Igreja Ortodoxa Copta da Alexandria, uma ramificação do Cristianismo, o personagem é resistente as adversidades por conta disso e coloca toda a sua esperança no dia do julgamento.

"Yomeddine" é uma bonita jornada de pessoas marginalizadas que buscam poder ser, ao ir à procura de sua família e obter uma sensação de pertencimento Beshay e Obama encontram um no outro todo o amor que necessitavam, a aceitação e o entendimento do que realmente importa. 

segunda-feira, 30 de setembro de 2019

Bacurau

"Bacurau" (2019) dirigido por Juliano Dornelles e Kleber Mendonça Filho (Aquarius - 2016) é um filme instigante e essencial, sua mescla de gêneros aguça nossa curiosidade e imprime força a cada cena e diálogo, traz a representatividade nordestina, a cultura de um povo forte que jamais cede ou retrocede, a palavra que mais o resume é resistência. 
Pouco após a morte de dona Carmelita, aos 94 anos, os moradores de um pequeno povoado localizado no sertão brasileiro, chamado Bacurau, descobrem que a comunidade não consta mais em qualquer mapa. Aos poucos, percebem algo estranho na região: enquanto drones passeiam pelos céus, estrangeiros chegam à cidade pela primeira vez. Quando carros se tornam vítimas de tiros e cadáveres começam a aparecer, Teresa (Bárbara Colen), Domingas (Sônia Braga), Acácio (Thomas Aquino), Plínio (Wilson Rabelo), Lunga (Silvero Pereira) e outros habitantes chegam à conclusão de que estão sendo atacados. Falta identificar o inimigo e criar coletivamente um meio de defesa.
O filme aos poucos revela seus personagens, não há protagonismo, todos possuem seu espaço e importância, assim como o próprio lugar, Bacurau, cujo nome vem de um pássaro noturno, de repente, a cidade não se encontra mais no mapa e o único jeito de ensinar as crianças é utilizando um mapa confeccionado por eles próprios, algumas coisas estranhas vão acontecendo e a população já acostumada com a vida difícil como a questão da água acabam dando seu jeito, pois não há qualquer amparo do governo, unidas seguem suas vidas rejeitando o prefeito que quando aparece fazem questão de deixá-lo falando sozinho.
O clima do filme é de puro suspense e se desenvolve para um faroeste à la cangaço, além de flertar com a ficção científica, uma distopia nem tão distópica assim já que muito do que é mostrado revela não só da atualidade em que vivemos, mas sobre o como sempre foi com seu ciclo de injustiças, corrupção e violência, onde se aniquila o mais pobre e o considerado ignorante, as mazelas expostas são realistas e explícitas e, por isso, tão incômodas; o caos é familiar. Potente em sua mensagem e certeiro como entretenimento, um longa completo e brilhante em todos os sentidos, uma história que representa o país, há símbolos e metáforas pelo decorrer que vamos descobrindo juntamente com nuances de surrealismo, possui diálogos que enfrentam e marcam, certamente Bacurau veio na hora certa para nos fazer refletir o Brasil como um todo e tentar entendê-lo sem referências externas e preconceitos.

É um filme com um imenso poder de despertar pensamentos, mas isso não quer dizer que seja difícil de assistir, ao contrário, é um ótimo entretenimento, conversa e brinca conosco o tempo todo, os alívios cômicos são espontâneos e provocantes, inúmeras vezes se coloca em evidência clichês utilizados pelo brasileiro, por exemplo, que por morar em determinada parte do país se considere quase um europeu e despreza quem vive em regiões menos favorecidas, subestimam o diferente, uma clara falta de conhecimento em não saber da própria história, além de querer que o país copie o modelo estrangeiro enquanto eles riem, usufruem, apoderam-se e aniquilam.

O levante da população, a união em preservar a cultura e pelo embate começar de dentro da escola se faz intenso e impactante, quem não se arrepiar pela força e coragem dos habitantes de Bacurau está morto por dentro, é imensamente essencial para cada vez mais trabalharmos nossa lucidez nesses tempos tão obscuros e de estreitamento de ideias.
"Bacurau" pulsa resistência e representatividade, é força e emoção, uma obra bonita, provocante e alegórica. 

quinta-feira, 26 de setembro de 2019

O Tradutor (Un Traductor)

"O Tradutor" (2018) dirigido por Sebastián Barriuso e Rodrigo Barriuso conta a história real do professor universitário cubano Malin, na verdade, Manuel Barriuso Andino, que vê sua vida transformada quando é designado para ser o tradutor numa ala infantil de um hospital destinado às vitimas do desastre nuclear de Chernobyl. Ambientado em 1989, as primeiras imagens são de Fidel Castro recebendo Gorbachev, Cuba necessita muito da ajuda da URSS, mas devido ao colapso e, por conseguinte, à sua ruína, as coisas começam a mudar no país, inicialmente as aulas de literatura russa são canceladas e novas funções são designadas aos professores, Malin vivido visceralmente por Rodrigo Santoro se vê obrigado a trabalhar num hospital que recebe vítimas do desastre de Chernobyl, especificamente a ala infantil, o sofrimento acaba sendo uma constante em sua vida ao ponto de sugar toda a sua energia, o sistema de saúde de Cuba reconhecido como um dos melhores do mundo recebia essas crianças para o tratamento, mas a comunicação era difícil e, portanto, Malin com ordem do governo inicia esse trabalho. 
Acompanhamos todo o cenário político da época e as suas transformações juntamente com as transformações pessoais do protagonista, sua vida até então boa e sem preocupações passa a ser um fardo, pois o peso de conviver com crianças em estados críticos e terminais deprime e o significado das coisas se modificam, por conta desse dia a dia o casamento se desfaz, não há diálogos e tudo parece pequeno para Malin, sua esposa é curadora de uma galeria de arte e por causa de sua experiência com as crianças que lutam pela vida não consegue entender os problemas dela em relação ao trabalho e as responsabilidades de resolver sozinha as situações cotidianas, grávida do segundo filho resolve deixar a casa e ir morar por uns tempos com seus pais, Malin também se distancia da vida do filho e vemos o como o pequeno é afetado por essa ausência, não é fácil a rotina no hospital, ter que ser o interlocutor de notícias desagradáveis aos pais das crianças, nesse ambiente sufocante ele então inicia formas de suavizar, ou seja, introduz histórias e interação uns com os outros, ouve e percebe o como cada um se sente, o carinho e a compreensão faz total diferença e é aí que o filme nos toca profundamente, é bonito ver o como Malin se dedica a amenizar o sofrimento promovendo leitura, aprendizado e diálogo, o completo oposto em sua casa, mas ali ele faz o possível para o lugar ser menos pesado. A enfermeira Gladys (Maricel Álvarez), ajuda nesse processo, pois possui empatia e sua dedicação também impressiona.

O filme não se aprofunda nas questões políticas, mas a realidade do país socialista é retratada de acordo com as vivências de Malin, observamos vários eventos importantes, como a queda do muro de Berlim e a crise econômica que assolou Cuba devido o colapso da União Soviética, são cenas marcantes e em sua maioria emocionantes, destaque para a ambientação com todos os detalhes que nos transportam para a época. E, claro, a linda dedicação de Rodrigo Santoro ao personagem, percebe-se que deu alma e muita vida para interpretá-lo, brilhante execução.

"O Tradutor" é uma obra que emociona, mas não apela em momento algum para excessos, o desenvolvimento e a transformação vem de forma natural, as vivências do protagonista inspiram muitas reflexões sobre as alternativas de se ajudar os outros em situações críticas, diz como a educação sempre é o melhor caminho fortalecendo assim a empatia, o afeto e olhares diversos, além de colocar tudo em paralelo com o conturbado cenário político.

*O filme foi dirigido pelos filhos de Malin, que na realidade se chama Manuel Barriuso Andino.
*O russo impecável de Santoro se deu por uma imersão na língua durante quatro semanas, estudou e tomou aulas para acertar o ritmo e trabalhou na memorização não apenas de suas falas, mas na de seus colegas de elenco também.

terça-feira, 24 de setembro de 2019

In Fabric

"In Fabric" (2018) dirigido por Peter Strickland (Berberian Sound Studio - 2012) é um filme que transmite nostalgia por causa de sua estética retrô nos remetendo aos clássicos Giallos, uma combinação excêntrica de comédia e terror que o torna numa espécie de conto de fadas sombrio permeado por fortes elementos, como o elegante e estranho vestido cuja cor é denominada como "vermelho artéria", quem o experimenta começa a sofrer terríveis consequências, pois existe uma bizarra maldição envolta nele, a atmosfera de pesadelo e surrealidade é recorrente e seus tons exuberantes quase sempre nos banha em um vermelho extremamente vivo.
Em uma Londres sombria acompanhamos Sheila (Marianne Jean-Baptiste), uma mulher divorciada que divide seu tempo entre escutar desaforos de sua nora Gwen (Gwendoline Christie) e as reclamações de seu chefe no banco, solitária ela tenta encontros, mas sempre insatisfatórios, tudo começa a mudar quando entra numa loja de departamentos e com a ajuda de uma estranha vendedora compra um vestido para se sentir melhor e chamar a atenção, esse vestido de tamanho 36 se adapta ao corpo de quem o veste e encantada e seduzida pelas palavras da vendedora termina levando. Neste ponto é fácil perceber uma crítica ao consumismo que se aproveita das frustrações das pessoas para vender, se falta em Sheila um apelo sexual um vestido ousado seria a solução, mas essa satisfação inclui consequências estranhas advindas de uma maldição, o ritual, um jogo erótico excêntrico e obscuro que os funcionários da loja fazem incluindo manequins com as partes íntimas aparentemente reais são os momentos mais intrigantes, a vendedora Miss Luckmoore vivida por Fatma Mohamed hipnotiza com seu estilo gótico e diálogos e ações enigmáticas. Depois que Sheila usa o vestido a maldição começa a se manifestar, enquanto dormem ele se arrasta pela casa e acaba criando situações de perigo, a imagem dele flutuando em cima de Sheila enquanto dorme realmente causa um desconforto, pois a atmosfera surreal se parece muito com um pesadelo, não há lógica, mas todos os sentidos estão alertas.

O desenvolvimento prende a atenção, se faz interessante e sinistro com suas cores vibrantes e estilo retrô, realmente parece um filme dos anos 70, o único ponto a se questionar é quando a trama envolvendo Sheila termina de forma rápida e logo somos jogados na vida de Reg (Leo Bill), especialista no reparo de máquinas de lavar roupas e que acaba usando o vestido em sua despedida de solteiro e depois o leva para casa e sua noiva o usa também, ou seja, a maldição joga tanto com um tanto com o outro.

"In Fabric" é um exemplar de horror peculiar que não possui uma lógica clara, as situações funcionam como numa estrutura de sonho/pesadelo, gera uma sensação particular a cada espectador e justamente por essa liberdade e originalidade merece a nossa atenção, certamente uma obra que já nasceu cult, o clima criado é fascinante!

sexta-feira, 20 de setembro de 2019

23 Filmes de Júri/Tribunal (23 Jury/Court Movies)

Segue uma lista de filmes que se passam em tribunal de júri ou que em determinado momento pendem para esse tema, são histórias interessantes e que agregam bastante para quem curte o gênero. Confira:

"A Condenação" (Conviction - 2010) EUA
Betty Anne (Hilary Swank) e Kenny (Sam Rockwell) são irmãos muito unidos desde a infância. Já adultos, Kenny passa a ser perseguido pela polícia local por já ter ficha suja. Desta forma sempre que há algum crime acontecendo na cidade ele é detido para averiguações, mesmo que não haja o menor indício de sua participação. A situação se complica quando ele é preso ao ser acusado de ter cometido o assassinato de uma jovem. O caso vai a tribunal e, com vários depoimentos contra si, Kenny é condenado à prisão perpétua. Betty Anne sempre acreditou em sua inocência e jamais se conformou com a sentença, buscando meios de recorrer. Sem dinheiro para pagar um advogado de renome, ela decide voltar a estudar para se formar em Direito. O projeto leva anos até ser concluído, de forma que possa assumir ela mesma a defesa do irmão em uma tentativa de recorrer da pena.

 "A Qualquer Preço" (A Civil Action - 1998) EUA
Jan Schlittman (John Travolta) é um advogado que, junto com seus sócios, não procura vencer causas mas sim entrar em lucrativos acordos financeiros. Mas tudo muda quando ele concorda em representar oito famílias cujas crianças morreram em virtude de duas empresas terem despejado produtos tóxicos na água que abastece Woburn, Massachusetts. O caso se prolonga, fazendo a firma ficar em sérias dificuldades financeiras, tanto que os sócios de Schlittman o abandonam enquanto ele marcha para o suicídio financeiro e profissional.

 "A Firma" (The Firm - 1993) EUA
Mitch McDeere (Tom Cruise) é um jovem advogado que vai trabalhar com um alto salário e diversas vantagens em uma firma em Memphis. Porém, logo descobre que a empresa onde trabalha está envolvida com lavagem de dinheiro da Máfia e que todos os advogados que saíram ou tentaram sair da firma morreram precocemente, de forma misteriosa. O filme questiona o código de ética, que mantêm em sigilo da relação do advogado com o cliente, que proíbe por toda a vida que um crime cometido por um cliente seja revelado por seu advogado.

 "Em Nome do Pai" (In The Name Of The Father - 1993) Irlanda
Na década de 70, um atentado do IRA mata cinco pessoas num pub de Guildford, cidade próxima à Londres. Gerry Conlon (Daniel Day-Lewis) é um jovem rebelde irlandês que acaba sendo injustamente acusado pelo crime, e pega prisão perpétua junto com outros três amigos. Giuseppe Conlon (Pete Postlethwaite), seu pai, tenta ajudá-lo, mas é condenado também. Enquanto Gerry tem que desenterrar suas forças mais profundas para lidar com a injustiça de estar preso, ele consegue a ajuda da advogada Gareth Peirce (Emma Thompson), que passa a investigar as irregularidades do caso.

 "Advogado do Diabo" (The Devil's Advocate - 1997) EUA
Kevin Lomax (Keanu Reeves) é um homem de sucesso dentro e fora do tribunal. Um jovem advogado de defesa que nunca perdeu uma causa, por pior que seja o crime cometido por seus clientes. John Milton (Al Pacino) é o misterioso e brilhante presidente de uma poderosa firma de advocacia com interesses e clientes no mundo inteiro. O que há de comum entre esses dois homens? Uma tentadora oferta de trabalho, a chance de alcançar o sucesso de uma vez por todas e um segredo que irá transformar a vida de Kevin em uma viagem ao inferno.

 "O Júri" (Runaway Jury - 2003) EUA


Após considerar que uma grande empresa é a culpada pela morte de seu marido, uma viúva decide entrar com um processo na justiça, pedindo uma indenização milionária. Para defendê-la ela contrata o advogado Wendell Fohr (Dustin Hoffman). Porém Fohr precisará enfrentar Rankin Fitch (Gene Hackman), um especialista em selecionar os jurados de forma a garantir de antemão sua vitória no julgamento. Porém o que Fohr e Fitch não contavam é que um dos jurados, Nicholas Easter (John Cusack), tem seus planos para manipular o júri. E, com o apoio de Marlee (Rachel Weisz), passa a chantagear a dupla avisando que o veredicto desejado sairá bastante caro.

 "Sob Custódia" (Custody - 2016) EUA
Uma emblemática juíza do tribunal de família com um casamento atormentado. Uma recém-graduada em direito que resolve trabalhar em um caso de custódia. E uma mãe solteira, no centro da ação, que corre o risco de perder seus dois filhos. As vidas dessas três mulheres são inesperadamente mudadas quando se cruzam na corte da família em Nova York.

 "Um Ato de Esperança" (The Children Act - 2017) EUA
Fiona Maye (Emma Thompson) é uma eminente juíza da Alta Corte, que preside casos eticamente complexos do direito familiar. Com o serviço pesado, sua carga horária acaba exigindo um desgaste pessoal de Fiona. Em meio ao seu precário relacionamento com um professor (Stanley Tucci), ela precisa decidir sobre o caso de Adam (Fionn Whitehead), um garoto brilhante diagnosticado com câncer que se recusa em fazer a transfusão de sangue que salvará sua vida.

"Terra Fria" (North Country - 2005) EUA
Após um casamento fracassado, Josey Aimes (Charlize Theron) retorna à sua cidade natal, no Minnesota, em busca de emprego. Mãe solteira e com dois filhos para sustentar, ela é contratada pela principal fonte de empregos da região: as minas de ferro, que sustentam a cidade há gerações. O trabalho é duro mas o salário é bom, o que compensa o esforço. Aos poucos as amizades conquistadas no trabalho passam a fazer parte do dia-a-dia de Josey, aproximando famílias e vizinhos. Incentivada por Glory (Frances McDormand), uma das poucas mulheres da cidade que trabalha nas minas, Josey passa a trabalhar no grupo daqueles que penam para arrancar o minério das pedreiras. Ela está preparada para o trabalho duro e, às vezes, perigoso, mas o que não esperava era sofrer com o assédio dos seus colegas de trabalho. Como ao reclamar do tratamento recebido é ignorada, ela decide levar à justiça o caso.

"Suprema" (On The Basis Of Sex - 2018) EUA
Ruth Bader Ginsburg (Felicity Jones) se formou em direito nas instituições mais prestigiosas do país: Harvard e Columbia, sempre como primeira aluna de sua turma. Mesmo assim, ela enfrentou o machismo dos anos 1950 e 1960 quando tentou encontrar emprego, sendo recusada pelos principais escritórios de advocacia. Na função de professora, ela se especializou em direito relacionado ao gênero, decidindo atacar o Estado norte-americano para derrubar centenas de leis que permitem a discriminação às mulheres.

"O Terceiro Assassinato" (Sandome no Satsujin - 2017) Japão
O advogado Shigemori (Masaharu Fukuyama) é obrigado a pegar um caso de assassinato na defesa de Misumi (Koji Yakusho), que tem um registro criminal que aconteceu há 30 anos. Mesmo Misumi confessando a autoria do homicídio, enfrentando a sentença de morte, Shigemori tem dúvidas sobre a culpa dele no caso.

"Lemon Tree" (Etz Limon - 2008) Israel
Salma (Hiam Abbass), uma viúva Palestina, vê sua plantação ser ameaçada quando seu novo vizinho, o Ministro de Defesa de Israel (Doron Tavory), se muda para a casa ao lado. A Força de Segurança Israelense logo declara que os limoeiros de Salma colocam em risco a segurança do ministro e por isso precisam ser derrubados. Salma leva o caso à Suprema Corte de Israel para tentar salvar a plantação. Saiba+

"Você Desapareceu" (Du Forsvinder - 2017) Dinamarca
Professora, Mia (Trine Dyrholm) é casada com Frederik (Nikolaj Lie Kaas), um diretor bem-sucedido que é pego roubando da sua própria escola. Na dúvida se o marido fez isso por vontade própria ou devido ao tumor que cresce no cérebro dele, ela está desesperada para solucionar o caso e descobrir com que tipo de homem está casada. Enquanto pagava um advogado para defendê-lo, ela é forçada a se deparar com estudos de neurociência para repensar quem é Frederik. Saiba+

"O Julgamento de Viviane Amsalem" (Gett - 2014) Alemanha/França/Israel
Em Israel, somente os rabinos tem o poder de firmar ou dissolver um casamento. Mas esta última opção só se concretizará se houver total consentimento do marido. Viviane Amsalem (Ronit Elkabetz) está pedindo um divórcio há três anos, mas seu marido, Elisha (Simon Abkarian), nega. A intransigência do marido e a determinação de Viviane em lutar por sua liberdade dão o contorno deste processo.

"Em Pedaços" (Aus Dem Nichts - 2017) Alemanha
Após cumprir pena por tráfico de drogas, o turco Nuri Sekerci (Numan Acar) leva uma vida amorosa e tranquila com a esposa Katja Sekerci (Diane Kruger) e o filho Rocco na Alemanha. Certo dia ele e o menino estão no escritório e morrem vítimas de uma explosão criminosa, tragédia que deixa Katja sem chão. Ela batalha na justiça pela punição dos culpados, um casal neonazista, e, insatisfeita com o desenrolar do caso, decide pela vingança com as próprias mãos. Saiba+

"Novo Julgamento" (Jaesim  - 2017) Coreia do Sul
Hyun-Woo é a unica testemunha no caso do assassinato do motorista de táxi, depois de ser falsamente acusado de assassinar o motorista por uma investigação criminal opressiva, ele passou 10 anos na cadeia. Joon-Young é um advogado que está ciente do caso de Hyun-Woo. Sua intuição diz que esse caso seria uma ótima oportunidade de avançar em sua carreira. Depois que Joon-Young conhece Hyun-Woo, ele torna-se impulsionado por um sentimento de justiça e Hyun-Woo ganha esperanças.

"Tribunal" (Court - 2014) Índia
O filme investiga o mundo da magistratura indiana. O cadáver de um homem que trabalha nos esgotos é encontrado em um bueiro de Mumbai. Um cantor folk é chamado para depor no tribunal por favorecimento ao suicídio. Ele é acusado de tocar uma música que levou o trabalhador a cometer o gesto de loucura. Como se desenvolve o processo e a vida pessoal dos advogados e do juiz envolvido é o que interessa ao olhar deste jovem diretor indiano. 

"O Advogado" (Byeon-ho-in - 2013) Coreia do Sul
Apenas com um diploma de ensino médio, o advogado Song Woo-suk ( Song Kang-ho) é uma espécie de peixe fora d’água na sociedade de Busan. Determinado em crescer economicamente de qualquer forma, ele aceita casos que os seus colegas rejeitam, e com sua perspicácia para os negócios e sede por dinheiro, constrói uma bem-sucedida carreira profissional ao se especializar na área de registro de imóveis e de tributos. Mas Song logo começa a questionar seus valores ao se envolver no caso de um grupo de estudantes detidos pela polícia sob a acusação de serem comunistas. Um deles é Park Jin-Woo (Yim Si-wan), filho de Choi Soon-ae (Kim Yung-ae), o dono de um restaurante que Woo-suk tem dividas pendentes. Quando Woo-Suk descobre que Jin-Woo foi torturado por interrogadores, ele decide pegar o caso.

"The Tokyo Trial" (Dong Jing Shen Pan - 2006) China
Baseado nos acontecimentos do Tribunal de Tóquio, que julgou os crimes de guerra cometidos pelo Japão durante a Segunda Guerra. Um juiz chinês é encarregado de julgar as arbitrariedades dos oficiais.

"A Corte" (L'hermine - 2015) França
Michel Racine (Fabrice Luchini) é um juiz rígido e impiedoso, conhecido pela atitude extremamente profissional nos tribunais. Isso muda quando a jurada de um de seus casos é Ditte Lorensen-Cotteret (Sidse Babett Knudsen), uma mulher por quem foi perdidamente apaixonado muitos anos atrás, mas que o abandonou.

"12 Homens e Uma Sentença" (12 Angry Men - 1957) EUA
O filme gira em torno de um julgamento, onde um jovem porto-riquenho é acusado de ter matado o próprio pai. Os 12 jurados se reúnem para decidir a sentença, com a orientação de que o réu deve ser considerado inocente até que se prove o contrário. Onze deles, cada um com sua razão, votam pela condenação. Henry Fonda faz o papel do único que acredita na inocência do garoto. Enquanto ele tenta convencer os outros a repensarem a sentença, o filme vai revelando sobre cada um dos jurados, mostrando as convicções pessoais que os levaram a considerar o garoto culpado e fazendo com que examinem seus próprios preconceitos. Saiba+

"12 Jurados e Uma Sentença" (12 - 2007) Rússia
Doze jurados reúnem-se para decidir o veredicto de um jovem checheno de 18 anos, acusado do assassinato de seu padrasto, um oficial do Exército Russo. O tribunal é improvisado no ginásio de esportes de uma velha escola, onde os jurados ficarão confinados por dias. Em nome de um veredicto justo, eles precisarão aprender a ouvir uns aos outros e a respeitar suas diferenças. Saiba+

"Eu Não Sou Madame Bovary" (Wo Bu Shi Pan Jin Lian - 2016) China

Uma mulher do interior considera que foi enganada pelo marido em um 'falso' divórcio combinado pelos dois. Ela então, decide se mudar para poder se defender em um tribunal superior, saindo de sua pequena cidade rumo à capital Pequim. Os anos passam e, ela continua a processar o Estado por não reconhecer suas demandas. Ela aborda juízes nas ruas, lança-se na frente de seus carros e até mesmo procura cúmplices para ajudá-la a matar todos eles.