quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Moonrise Kingdom

Quem dera que na vida real as descobertas fossem mais coloridas, mais puras e inocentes, assim como no universo do diretor Wes Anderson. "Moonrise Kingdom" tem um ar fabulesco, daquelas histórias retiradas dos livros, onde tudo é encantador.
A história se passa na década de 60 numa ilha fictícia na costa da Nova Inglaterra, cujo único contato com o continente se dá através de um rádio na estação de polícia. Correspondência, apenas por hidroavião, que é também o único meio de acesso. Lá moram Sam e Suzy, um casal de crianças que, no auge de seus 12 anos, se apaixonam, fazem um pacto de amor e decidem fugir para viver na floresta. Sam promete utilizar sua experiência como escoteiro Khaki para cuidar de sua donzela na aventura pelo desconhecido. No entanto, com o sumiço da dupla, os pais da menina e o chefe escoteiro do acampamento de Sam, iniciam uma busca para procurá-los na floresta. O que nenhum deles sabe é que há uma ameaça de forte tempestade na costa da ilha, que pode dar um fim trágico à aventura.
O inocente e corajoso casal se conheceu em uma apresentação teatral da igreja de New Penzace. Durante um ano eles trocaram diversas cartas, confidenciando segredos e desabafando os constantes problemas de suas personalidades disfuncionais. Diante de tamanha falta de compreensão existencial, os dois resolvem fugir, mesmo que seja por alguns dias. Sam conduz Suzy por uma antiga trilha Chickcham, cujo destino é uma pequena praia escondida na ilha. Enquanto isso, os adultos arrancam seus cabelos de preocupação, tentando, além de tudo, resolver seus próprios dilemas pessoais, e para piorar as coisas, uma terrível tempestade se aproxima do local, sendo descrita pelo narrador sem nome (interpretado por Bob Balaban). O fato é que o Capitão Sharp (Bruce Willis), responsável pela busca dos jovens se mostra comovido pela história do garoto Sam, e decide ficar com ele no final.
Os excêntricos protagonistas são duas crianças vivendo fases difíceis, enquanto Sam lida com a solidão, Suzy tenta viver com uma família que não dá a mínima pra ela. Os livros são grandes aliados da garota, apaixonada por histórias com heroínas e poderes mágicos. O seu binóculo, objeto do qual não se separa, segundo ela, é o que lhe dá poder.

"Moonrise Kingdom" é cinema com personalidade, apesar do filme ter teor adolescente, ele é direcionado ao público adulto, nos mostrando as fases, como o primeiro amor e a liberdade de vivê-lo. São personagens que não conseguem se encaixar diante a sociedade, a fuga da realidade da qual não pertencem parece o único caminho. Sam rejeitado pelos pais e Suzy por descobrir que sua mãe tem um caso com o policial, e por sempre ser chamada de garota problemática. Eles não querem ser ignorados novamente, juntos se completam e descobrem uma paixão indescritível. Interessante observar que os adultos são mais infantis do que os protagonistas. A conquista da liberdade, as loucuras por amor, os questionamentos sobre a moral, o casamento. São crianças com gostos extremamente requintados e visões maduras de mundo. Destaque para os irmãos de Suzy, que com aparentemente 5 anos são viciados em ouvir cartilhas sonoras de composições de música erudita.

Nada mais cruel que a transição de ser criança para as descobertas da adolescência, o desarranjo em não saber se é ainda criança ou se já se tornou adulto. A aceitação de ser quem é, com todos os problemas e as diferenças é um obstáculo gigantesco, a vontade é de sumir para algum lugar com alguém que nos entenda e que compartilhe todas as descobertas desse novo mundo. "Moonrise Kingdom" representa este estado de espírito.
É um filme que nos faz lembrar da magia do primeiro amor, o verdadeiro, daquele do qual somos capazes de nos aventurar sem o menor medo do que os outros irão pensar. Esteticamente lindo, mostra que as crianças as vezes são muito mais maduras do que a maioria dos adultos por aí.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

SE FOR COMENTAR, LEIA ANTES!

NÃO ACEITO APENAS DIVULGAÇÃO.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...