sexta-feira, 24 de junho de 2016

Ned Rifle

"Ned Rifle" (2014) fecha a trilogia de Hal Hartley, iniciada em 1997 com "As Confissões de Henry Fool" e "Fay Grim", 2006.
Edward "Ned" Rifle (Liam Aikem) era ainda um menino quando a mãe foi presa, acusada de terrorismo, e uma família religiosa o adota. Ao completar a maioridade, o jovem deixa a casa adotiva convertido para percorrer o país a fim de vingar a mãe – matando o pai biológico. O filme segue o padrão dos anteriores, humor negro, personagens estranhos e diálogos reflexivos. 
Reencontramos Henry Fool (Thomas Jay Ryan), que estava sumido devido a um crime que cometeu, ele continua um homem decadente, alcoólatra, fumante compulsivo e um poeta, se gabando de sua intelectualidade e sempre se esquivando da banalidade da vida.
No primeiro longa ele incentivou o lixeiro Simon (James Urbaniak), irmão de Fay (Parker Posey), a escrever, ele fez muito sucesso com sua escrita considerada pornográfica. Henry se casa com Fay e nasce Ned, logo depois some com a ajuda de Simon, após um acesso de raiva e matar o vizinho. Lembrando que Henry havia sido preso por pedofilia antes de tudo isso. Em "Fay Grim" vemos a dificuldade da criação de Ned, Fay teme que o filho tenha o mesmo destino do pai, Simon foi julgado por ser cúmplice no crime de falsidade ideológica e o menino é expulso do colégio, Fay acaba aceitando colaborar com a CIA, pois acreditam que os registros escritos por Henry, intitulados, "As Confissões", tenha fortes indícios de que ele seja espião com informações importantes. Por fim, Fay viaja à Paris para resgatar os cadernos e, na viagem, vira alvo de diferentes espiões e terroristas internacionais.
Com diálogos afiados, ironias e humor negro, Hal Hartley nos transporta para um outro tipo de cinema, completamente inusitado e cínico. "Ned Rifle" vem para fechar com chave de ouro esta trilogia, Ned decide deixar a família religiosa que o acolheu para encontrar e vingar-se de seu pai, Fay dada como terrorista, foi sentenciada à prisão perpétua. Ele busca informações com seu tio Simon e no caminho se depara com uma garota chamada Susan (Aubrey Plaza), que idolatra Henry Fool e parte na viagem ao lado de Ned. O garoto é religioso e precisará de muito esforço para manter-se sexualmente puro. Todos os personagens são contraditórios, Ned carrega na mala uma bíblia e uma arma.
Simon, tio de Ned, desistiu de escrever e se dedica à comédia stand-up, mesmo não sendo nada engraçado, Susan quer encontrar Henry Fool, ela é obcecada por essa família, tem um passado obscuro com ele e usa Ned para isso. Algumas reviravoltas se dão, cenas regadas a diálogos filosóficos e bastante humor negro. 

Para acompanhar a trama de "Ned Rifle" é necessário que se conheça as duas obras anteriores, elas se conectam de forma inteligente e o filme não faz questão de explicar as situações. Sem dúvidas, Henry Fool é um personagem que nos inquieta, completamente fora do padrão social, que ora fascina, ora perturba.
Liam Aikem como Ned está ótimo e consegue expôr toda a confusão de ser quem é, afetado pela figura do pai, pelo contraste religioso e sórdido da vida. Aubrey Plaza como Susan se sobressai e também consegue passar toda a angústia e a adoração que tem por Henry, sua maneira de se portar foi moldada por esse cara, a dualidade de sentimentos é muito intensa.

"Ned Rifle" tem ritmo contagiante, é inventivo e engraçado, exibe personagens imperfeitos e situações desagradáveis. Trazendo à tona Henry Fool, Fay Grim e Simon Grim embarcamos novamente no universo tão característico e único do diretor Hal Hartley. 
Para quem procura por filmes alternativos, esta trilogia com certeza é uma excelente e peculiar indicação. 

Um comentário:

  1. Quando Hal Hartley surgiu no anos noventa com o drama "Confiança", rapidamente se tornou um diretor cult elogiado pelos críticos.

    Curiosamente até hoje ainda não assisti filme algum do diretor.

    Abraço

    ResponderExcluir

SE FOR COMENTAR, LEIA ANTES!

NÃO ACEITO APENAS DIVULGAÇÃO.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...