quarta-feira, 6 de março de 2013

Tio Boonmee, Que Pode Recordar Suas Vidas Passadas (Loong Boonmee Raleuk Chat)

É extremamente difícil falar sobre "Tio Boonmee", mas não posso deixar de fazer algumas observações e compartilhar minhas percepções. Vencedor da Palma de Ouro em Cannes no ano de 2010, o filme pode ser considerado um gênero de fantasia alternativa, ou espiritual. A nós ocidentais a primeira impressão que passa é logo comparar os acontecimentos com a religião espírita, mas a verdade é que é algo muito além de qualquer rótulo. Falar em espiritualidade e a evolução desta enquanto ser humano pode soar mera bobagem a algumas pessoas, mas o que realmente "Tio Boonmee" quer passar em forma de simbolismos é a nossa relação com a morte e dizer que natureza e homem são uma só coisa, nos unimos a ela quando morremos, um ciclo que termina onde tudo começou. Muitas pessoas acham que a natureza está distante de nossa condição como ser humano, mas acontece que estamos ligados a ela desde o princípio.
Apichatpong Weerasethakul ou Joe como o próprio diretor tailandês se apelidou, dada a dificuldade de pronunciar seu nome, mostra o quanto estamos longe de compreender tudo, até porque nós lidamos com a vida, a morte é algo que está fora de nosso entendimento. Acredito que uma pessoa mais espiritualizada consiga captar vários dos simbolismos expostos, aquele ser humano que busca se conhecer, que consegue pensar de forma ampla, que identifica sua essência, tem consciência de que tudo termina e de que estamos conectados com a natureza sendo uma só coisa. Mas por um outro lado a pessoa que está distante destes conceitos não consegue absorver e tão pouco entender o termo espiritualidade.
Tio Boonmee é interpretado por um ator não-profissional e é isso que funciona ao dar naturalidade à história. O personagem é viúvo e está com um problema nos rins, ele volta para uma região de florestas no nordeste da Tailândia. Lá conta com a companhia da cunhada Jen, o primo Tong e Jaai. Num jantar, uma espécie de despedida, a barreira entre os vivos e os mortos se rompe. A falecida mulher de Boonmee, Huai vem fazer uma visita. A chegada dela, um espírito, não poderia acontecer de forma mais natural, sem qualquer alerta de que um fantasma entrou em cena. Ela se senta à mesa e começa a compartilhar da conversa. Nesse momento, recordações e pontas soltas do passado e presente se tornam o assunto. São conversas melancólicas, mas que se desenrolam sem qualquer estranhamento.

Outra figura peculiar torna a ceia ainda mais especial, trata-se de Boonsong, o filho perdido de Tio Boonmee, que retorna como um espírito em forma de macaco e cujos olhos são vermelhos. 
Apichatpong destrói a linha que divide o real e o imaginário, a vida e a morte, a existência e a ausência. A morte é tratada de forma muito natural, um acontecimento tranquilo, uma fase da qual Tio Boonmee está passando.
É um filme completamente sensorial e feito de imagens, o ritmo é lento, como se tudo tivesse o tempo certo para acontecer, a natureza é muito presente, ela é uma personagem e não há coisa mais bela que a trilha sonora da floresta que acompanha a despedida de Tio Boonmee do mundo físico. É complicado compreender outras tradições, outras formas de enxergar a morte, os tailandeses tem uma calma natural ao lidar com este assunto.

"Tio Boonmee", Que Pode Recordar Suas Vidas Passadas" é cinema experimental e de certa maneira hipnótico, há cenas incompreensíveis e talvez nem tenham explicações. Em meio a nossa vida cotidiana tão automática e rasa, "Tio Boonmee" aparece para abrir nossos olhos, e mesmo sem compreendê-lo já vale a pena para pensamentos novos virem à tona, e saber que existem diversos jeitos de encarar a morte.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

SE FOR COMENTAR, LEIA ANTES!

NÃO ACEITO APENAS DIVULGAÇÃO.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...