quarta-feira, 13 de março de 2013

O Porco Espinho (Le Hérisson)

"O Porco Espinho" (2009) baseado no romance "L'élégance du Hérisson", de Muriel Barbery é um filme delicado, com um roteiro primoroso que se apega a detalhes, a pequenas grandes paixões dos personagens, o que faz deles interessantes aos nossos olhos. 
Paloma (Garance le Guillermic) tem 11 anos e mora em um apartamento de luxo com seus pais e sua irmã. Considerada excêntrica, ela tem o hábito de ficar filmando o dia a dia de sua família e seus vizinhos. Também estuda japonês, gosta de gatos e de desenhar, mas mesmo assim é entediada. Decide, então, se matar no dia de seu aniversário de 12 anos. Ela resolve fazer diversas filmagens enquanto não chega o dia. O que Paloma deseja com essas filmagens? Documentar seus últimos dias ou de certa forma, se aproximar das pessoas? Paloma diariamente planeja sua morte, pensa em pular da janela, perfuração com faca no abdômen, mas acaba por decidir tomar uma quantidade abusiva de remédios, todos os dias retira da caixa vários antidepressivos de sua mãe. A menina se sente triste e não consegue enxergar naqueles de seu convívio algo que poderia fazê-la mudar de ideia. Sua mãe faz análise a dez anos, mesmo período que passou a consumir medicamentos e bebidas descontroladamente, além de conversar com as plantas; o pai é um burocrata, funcionário público do alto escalão sempre a mercê dos joguetes políticos; a irmã mais velha é apenas uma adolescente fútil e insensível. Paloma vê neles somente personagens para seu filme. Mas a vida costuma nos presentear com pessoas adoráveis e de alguma forma a zeladora do prédio foi esse presente pra ela.
Renée Michel (Josiane Balasko) é uma mulher de cinquenta e quatro anos, sua única companhia é seu gato Leo. Quase sempre invisível aos olhos dos moradores, mesmo que às vezes este fosse seu real desejo. Certo dia, ao levar o gato de Renée para dentro da casa, Paloma percebeu um livro aberto em cima da mesa ao lado de um tablete de chocolate e uma xícara de chá. Aquela menina admirou-se então pela possibilidade daquela zeladora ser uma leitora de livros densos e interessantes. Paloma só teve tempo de filmar o livro e sair rapidamente da casa. Nos próximos dias Paloma resolve se aproximar de Renée, que em sua opinião parecia ter encontrado o esconderijo ideal: ser uma zeladora. A chegada do Sr. Kakuro (Togo Igawa) acende mais a curiosidade dela, pois em uma conversa no elevador, os dois comentam que Renée talvez tivesse um segredo. No dia em que Renée e Kakuro se conhecem, uma conversa amigável se dá entre eles, à medida que ela citou que "todas as famílias felizes são iguais", Sr. Kakuro rapidamente completa sua citação, "as infelizes o são cada uma à sua maneira". A mulher simples conhecia Tolstói e era apaixonada por gatos, uma bela afinidade começou a partir desse encontro.

Kakuro dá de presente a Renée um exemplar de Anna Karenina, ela fica encantada, mas sem graça por um homem tão rico e elegante ter notado ela, uma simples zeladora. Os dois começam a se encontrar para jantar, assistir filmes, conversar, e a mudança em Renée se faz lindamente, ela se arruma, corta o cabelo, mas mesmo assim se acha uma mulher feia, mas como Paloma a definiu, ela era como um porco espinho, ninguém chegava perto, era dura, mas por dentro era sábia e tinha uma elegância particular. Esse momento que a menina descreve e compara Renée a um porco espinho é uma das cenas mais belas do filme, junto com a que ela filma a zeladora e pede que esta conte sobre si mesma.
Para Paloma, Renée tinha encontrado a maneira ideal de se esconder do mundo, não ser enxergada por ninguém, mas mesmo assim conseguir se alimentar mentalmente dos livros. Sr. Kakuro, Renée e Paloma tinham em comum a solidão, a paixão pelos livros, a sede de conhecimento e a afeição pelos gatos, grandes companheiros dos solitários. Eles viam o mundo de uma ótica diferente, conseguiam ver além do pano que encobre o cotidiano, a rotina. Paloma enxergava seus familiares numa espécie de aquário, presos num tipo de vida da qual ela não queria fazer parte. Muitos dos espectadores podem questionar sobre essa menina tão nova já ter essas ideias existenciais, pensar em suicídio e ver seus pais do lado de fora do aquário em que vivem. Ela tem o mesmo que habita em Renée e Kakuro, a ânsia do saber.

A morte em si não é importante, mas sim o que se está fazendo quando ela acontece, essa é a grande tragédia, e o final triste retrata bem isso. Renée, anos sem ser vista por alguém encontrou em Kakuro, um ser semelhante a ela, e decididamente estava pronta para amar.
Acontece uma grande mudança em Paloma dada as circunstâncias, o peixinho que certa vez ela jogou pela descarga por pensar estar morto, depois de ter dado um comprimido ansiolítico, ressurge na privada de Renée, e nada mais simbólico que isso, um renascimento da própria menina, e o entendimento de várias nuances da vida.
Muitas pessoas que se sentem inadequadas ao mundo se fecham em seus próprios, porém os de fora passam a não enxergá-las mais. Aqueles que se julgam elegantes não o são na verdade, a elegância está muito além, está dentro daquele que cultiva em si conhecimentos e paixões.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

SE FOR COMENTAR, LEIA ANTES!

NÃO ACEITO APENAS DIVULGAÇÃO.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...