quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Renoir

Côte d'Azur, 1915. Pierre-Auguste Renoir (Michel Bouquet) é atormentado pela morte da esposa, as dores da artrite e a preocupação com o filho Jean (Vincent Rottiers), que luta na Primeira Guerra Mundial. Eis que surge em sua vida Andrée (Christa Theret), uma jovem bela e radiante que desperta no pintor uma inesperada energia. Rejuvenescido, Renoir a torna sua musa. Quando Jean volta à casa do pai para se recuperar de um grave ferimento na perna, ele se envolve com Andrée e a torna também sua musa, mas de um sonho ainda distante: o de fazer cinema.
"Renoir" (2012) é sobretudo um filme feito para encher os olhos, a fotografia é exuberante, assim como o ambiente e suas belas paisagens, tudo remetendo a paleta de cores do pintor que é considerado fundador do impressionismo. Apesar de Renoir lutar com as dores da velhice, tanto físicas como psicológicas, ele não para de produzir, a jovem ruiva Andrée é sua nova fonte de inspiração, esbanjando jovialidade, sensualidade e liberdade. Ela posa diariamente em meio as flores e aos bosques da imensa propriedade localizada em frente ao mar na Riviera francesa. O lugar é habitado por muitas mulheres, suas criadas, que outrora também foram suas musas.
Quando Jean retorna da guerra conhece Andrée e logo fica encantado pela sua beleza, não demora muito para se envolverem. Interessante que Jean vive à sombra do pai, ele não sabe o que quer, o que irá fazer. Renoir é um patriarca, uma figura espantosamente forte e nem os filhos conseguem se aproximar muito. Andrée deseja ser atriz e em conversas furtivas Jean diz gostar de cinema. Muito tempo depois esse sonho vem a se concretizar, Andrée se torna atriz sob o pseudônimo de Catherine Hessling e Jean Renoir um diretor de prestígio, cujas obras mais importantes são: "A Grande Ilusão" (1937), "A Marselhesa" ('938) e "A Regra do Jogo" (1939).
A maioria das cenas foram feitas para serem apreciadas, da mesma maneira quando olhamos para uma pintura. O tom amarelado transmite uma sensação boa, de luminosidade e alegria, vemos tudo como o próprio Renoir via, a beleza feminina juntamente com a natureza. O filme foi muito feliz em nos transportar através das cores para o mundo de Renoir.
Ainda que o filme trate sobre Renoir, não é exatamente uma biografia, ele retrata os quatro anos antes de sua morte de maneira muito despreocupada, Jean e Andrée são os protagonistas, simbolizam a juventude, o romance e a parceria que estava por vir.

O destaque óbvio vai para a grandiosa atuação de Michel Bouquet, ele encarna um Renoir que apesar das dores, da decrepitude, ainda cultiva a arte em si e a inspiração em pintar belas paisagens e curvas femininas. As partes em que Renoir aparece pintando e dialogando são as mais especiais, o romance dos jovens ainda perdidos não apetece muito ao espectador, e por vezes o longa se torna enfadonho.
Alguns personagens não são desenvolvidos, como o filho caçula de Renoir que também se encanta por Andrée, em algum momento decidiram abandoná-lo na trama, assim como Gabrielle, antiga paixão de Renoir, ela é mencionada várias vezes e até aparece, mas sem muitas explicações. São pequenos pontos negativos, mas nada que comprometa a beleza da obra.

A narrativa é lenta, mas vale lembrar que este longa foi feito para se apreciar cada detalhe e cada movimento. É para se maravilhar com a fotografia e se deixar levar pelo frescor das pinturas de Renoir.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

SE FOR COMENTAR, LEIA ANTES!

NÃO ACEITO APENAS DIVULGAÇÃO.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...