sábado, 27 de julho de 2013

Deixa Ela Entrar (Låt Den Rätte Komma In) + Deixe-me Entrar (Let Me In)

"Deixa Ela Entrar" (2008) pode ser considerado um dos melhores filmes sobre vampiros, ele também retrata a transição da adolescência, dos assuntos que a rodeiam, como a paixão, que é retratada sem ser piegas ou clichê.
Ambos os filmes foram feitos a partir de uma mesma história, o best-seller escrito em 2004 por John Ajvide. O remake americano "Deixe-me Entrar" (2010) tem uma boa ambientação, interpretações, mas não supera o clima sombrio que o original (sueco) transmite.
A história acontece no subúrbio de Estocolmo, em 1982. Oskar (Kare Hedebrant), um frágil garoto de 12 anos sempre atormentado pelos colegas de escola, sonha com vingança. Ele se apaixona por Eli (Lina Leandersson), uma garota bonita e peculiar que não suporta o sol e comida. Eli dá a Oskar força para lutar, mas o menino é colocado frente a um impasse quando percebe o que ela precisa fazer para sobreviver.
Oskar é um menino de aparência quase albina, é retraído, sofre com a separação de seus pais e diariamente apanha na escola. Um dia conhece Eli, uma menina estranha que mudou ao lado de seu apartamento com um suposto pai. Com o passar do tempo os dois desenvolvem uma amizade bem particular. O que Eli deseja de Oskar? Será que ela o ama ou ele é apenas um meio para sua sobrevivência? De fato, depois de se tornarem íntimos, Oskar ganha força e enfrenta seus colegas, e se torna mais valente e seguro. O ambiente frio, branco e afastado com as duas crianças pálidas, deprimidas e sozinhas dão um tom muito sombrio ao filme.

Interessante observar como Oskar aceita Eli de maneira terna depois que fica sabendo que é uma vampira. Não dá para deixar de comentar sobre as cenas de ataques que são ótimas, assim como a do final, em que envolve os colegas de Oskar na piscina, e também o da mulher que não consegue suportar o fardo que lhe espera depois de ser transformada. Eli está fadada a ser uma menina de 12 anos para sempre, e Oskar envelhecerá, portanto será que seu destino vai ser o mesmo daquele homem que supostamente era visto como pai de Eli pelos demais?
É um filme que aborda o vampirismo, e consegue ainda captar a dificuldade de ser adolescente, em questões de família, bullying, a incompreensão, e a paixão. Mesclando terror, drama, romance e suspense é um filme original e estranhamente bonito!

Os remakes são interessantes por poder dar ênfase em alguma parte que ficou meio de lado no original, principalmente quando a obra é baseada em um livro, ou seja, explorando algo novo dentro da mesma história.
Em "Deixe-me Entrar" o menino Owen é vivido por Kodi Smit-McPhee, zoado sempre pelos colegas de escola e negligenciado por seus pais em vias de se divorciar, ele passa os seus dias planejando a vingança e as suas noites espiando o que acontece nos outros apartamentos da vizinhança. Então ele conhece a nova vizinha Abby (Chloe Moretz), menina que mora com seu silencioso suposto pai (Richard Jenkins). Como no original a ambientação é fiel, tem clima sombrio, porém com interpretações mais sentimentais, as diferenças são bem sutis e não há nada que fuja muito da história.
Algumas partes ficam a mercê de nossa imaginação, pois o filme só dá a entender, é preciso ler o livro para compreender na totalidade. 
"Deixa Ela Entrar" é uma obra original dentro do tema, e o remake não fica devendo, tem  todo o mistério e obscuridade que esse universo pede. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

SE FOR COMENTAR, LEIA ANTES!

NÃO ACEITO APENAS DIVULGAÇÃO.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...