quinta-feira, 12 de novembro de 2015

Mia Madre

"Mia Madre" (2015) dirigido por Nanni Moretti (Caos Calmo - 2008) retrata o cotidiano de uma cineasta e o processo de aceitação diante da proximidade da morte de sua mãe. Margherita (Margherita Buy) é uma diretora de cinema que está rodando seu novo filme com o famoso e peculiar ator americano Barry Huggins (John Turturro). Longe do set, Margherita tenta manter sua vida inteira enquanto sente-se impotente ao enfrentar a doença de sua mãe e a adolescência da filha.
Nanni Moretti é um diretor sensível que sabe dar leveza a seus filmes que geralmente tratam de assuntos doloridos, seu jeito doce de contar a história nos dá ao mesmo tempo uma sensação de angústia e alívio. Margherita é uma mulher hiper independente, cheia de trabalho e pessoas para guiar, acompanhamos o caos nos sets de filmagens e o como requer paciência e ânimo para compor uma obra cinematográfica, as cenas são repetidas exaustivamente e suas manias deixam os atores confusos. Barry Huggins, um ator americano vaidoso e loroteiro, sem dúvidas, uma interpretação inspirada de John Turturro, ele é o lado cômico e ameniza a personalidade turrona e egoísta de Margherita. Nanni Moretti faz Giovanni, o irmão dela, sempre sereno, pronto para acalmar e esclarecer Margherita sobre a realidade.
A mãe (Giulia Lazzarini) está doente e pouco a pouco vai sucumbindo, antes uma mulher cheia de energias, professora de latim, se vê acamada e sem sinais de melhoras. No início, tanto ela como Margherita não se dão conta que o fim está próximo, a lucidez acompanha apenas Giovanni. Desesperada, Margherita acaba levando isso pro trabalho e sua vida se transforma numa imensa bagunça. Ela relembra momentos em que foi áspera com a mãe, ou ausente, assim como é com sua filha, mas tudo isso muda quando a compreensão chega.
"Mia Madre" passeia por vários assuntos, um filme metalinguístico que discute a ficção e a realidade, o pessoal e o profissional, e outras tantas coisas. É delicado, engraçado, dolorido, aconchegante, difícil definir esta obra de Moretti, mas é um filme que merece atenção e que certamente enriquece o espectador com questões que deixamos de lado. A dor é inevitável, perdas todos temos, e a aceitação é um processo que ao final nos torna pessoas melhores e mais capazes.

O filme chega muito próximo de nós e, portanto, percebemos o quão confusos somos observando Margherita, lidar com o pessoal em momentos de dor e ainda ter que estar inspirada para um trabalho dar certo é complicado. Levamos tudo conosco e os sentimentos afetam todos os setores de nossa vida. Não somos perfeitos, não há divisórias em que colocamos as dores em um compartimento e seguimos normalmente, tudo que nos tira do chão, principalmente a morte de alguém que amamos acaba por modificar nossa consciência. Somos seres mutáveis e a todo instante afetados por sensações e situações.  
Interessante ao final com a morte da mãe ver que Margherita não conhecia ela, os alunos contando histórias revelam isso, mas ela escuta com alegria e nada mais lindo do que aceitar e sentir a paz. A cena final é lindíssima!

"Mia Madre" conta com lindas atuações, destaque para Turturro que é um show a parte e nos presenteia com suas loucuras ao tentar interpretar o personagem no filme de Margherita. A maravilhosa Margherita Buy está grandiosa e refletimos muito sobre sua personagem. Nanni Moretti é uma presença acalentadora e dirige esta obra com total maestria e personalidade.

Um comentário:

  1. De Moretti eu assisti apenas o triste "O Quarto do Filho" e o interessante "Habemus Papam".

    Gosto do estilo do diretor, preciso conferir seus outros trabalhos.

    Até mais

    ResponderExcluir

SE FOR COMENTAR, LEIA ANTES!

NÃO ACEITO APENAS DIVULGAÇÃO.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...