sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

Entardecer (Nachmittag)

"Não acho que ter medo seja algo para se envergonhar. Nada é mais fácil de se entender do que o medo. Somos mais ou menos feitos de medo."

Uma adaptação livre e pessoal, transposta para o aqui e agora, da peça de teatro "A Gaivota", de Anton Tchekhov. Irene, atriz de teatro, vai para sua casa no lago nas proximidades de Berlim, onde seu irmão mais velho e seu filho Konstantin moram. Verão, sol, lago - aparentemente um cenário idílico, mas os personagens estão escondidos em si mesmos. Uma atmosfera de cansaço, tristeza e de amor perdido paira sobre as cenas cotidianas.
"Entardecer" (2007) é um filme de silêncios que retrata o vazio e o reconhecer-se. É desconfortável assisti-lo e também cansativo, mas vale muito a pena, principalmente àqueles que gostam de refletir sobre si mesmos e a vida. Fria e distante são as relações, mãe, filho, tio, namorada, e amante, a solidão de cada um é medonha. Konstantin, filho de Irene é um jovem escritor que sente na pele toda uma inadaptação, sua mãe é atriz de sucesso no teatro, ausente ela não demonstra qualquer tipo de sentimento, Max, seu namorado atual é um escritor famoso que também aparece muito distante de Irene, Agnes é a vizinha de Konstantin, ele é apaixonado por ela, que é apaixonada por Max. Konstantin adora a melancolia do lugar em que mora com o tio, este que sofre com as dores da velhice. Já Agnes não gosta de viver ali e por isso acaba sempre desistindo de Konstantin.
Um belo filme, sua plasticidade é estonteante rodeada de melancolia e silêncios. A luz natural é algo que marca a direção de Angela Schanelec, que também atua no filme como Irene.
O tédio é exposto em "Entardecer", e nada melhor para simbolizar do que a imagem do lago. A particularidade do filme é justamente refletir instabilidades emocionais, as relações e o como é difícil nos ajustarmos perante à sociedade. De certa forma todos estamos à deriva tentando se agarrar n'algum lugar. 
Os diálogos são inteligentes e poéticos, um dos pontos mais altos do filme consiste no encontro de Agnes e Max, eles falam de si mesmos e refletem sobre medo e reconhecimento. Muitas ideias surgem a partir disso, por exemplo, enquanto via o filme pensei na autenticidade de algumas ações, afinal fazemos as coisas para nós mesmos ou pelos outros esperando reconhecimento? Max complementa no diálogo que o ser humano de tempos em tempos necessita que alguém nos reconheça, que olhem o que nem mesmo enxergamos em nós.

"De tempos em tempos queremos ser reconhecidos por alguém. A alma quando reconhecida se modifica. Torna-se mais bonita."
Por fim, "Entardecer" deve ser visto por almas sensíveis e pensantes que conseguem captar beleza nos silêncios, e que gostam de se aprofundar em questões que permeiam o cotidiano. É uma obra singular e que promove sentimentos diferentes em cada um que o assiste.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

SE FOR COMENTAR, LEIA ANTES!

NÃO ACEITO APENAS DIVULGAÇÃO.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...