quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

Melhores Álbuns de 2015

Segue a lista dos álbuns musicais lançados em 2015 que mais adorei e ainda adoro escutar, é uma seleção pessoal e diversificada. Não acompanho lançamentos, mas esse ano me deparei com obras maravilhosas, especialmente brasileiras. Foi um ano que descobri novas sonoridades, abri horizontes e mergulhei em variados gêneros. Todos os listados são trabalhos sensacionais e merecem reconhecimento.

15- Heartless Bastards - Restless Ones
Heartless Bastards é uma banda americana, cujas canções são uma mistura de rock, blues e country, as melodias do quinto álbum são apaixonantes, melancólicas e poderosas. A intensidade em "Restless Ones" domina, o vocal de Erika Wennerstrom é o grande atrativo, seu timbre é cortante mas doce, a bateria é marcante e as guitarras fundem-se com o vocal. As dez faixas são incríveis, deliciosas. A atmosfera desse álbum realmente impressiona. Confira "Restless Ones".

14- Chris Cornell - Higher Truth
Chris Cornell (Soundgarden, Audioslave) é um cara que sabe inovar, dessa vez nos entrega um álbum acústico com dezesseis faixas, as músicas são acompanhadas por batidas e viradas de bateria em estilo percussivo, dedilhados incríveis no violão, e ainda conta com piano, baixo e alguns efeitos. "Higher Truth" só confirma a genialidade de Cornell como artista, talentoso letrista e um poderoso vocalista, ele não deixa o grunge de lado, mas explora todos os seus lados, são dezesseis músicas inéditas e bem produzidas. Ouça "Higher Truth".

13- Leon Bridges - Coming Home
Leon Bridges, grande revelação de 2015 lembra ícones da soul music, como Ottis Redding e Sam Cook. Nascido no Texas, seu sucesso aconteceu rápido, após disponibilizar algumas músicas na internet. "Coming Home" é seu primeiro disco e já recebeu inúmeros elogios da crítica. O seu estilo retrô nos faz viajar no tempo, as letras falam de amor, natureza e soam poéticas, pueris. Não há nada de moderno em seu álbum. Emocional e nostálgico, Leon Bridges merece nossa atenção por se destacar em um mundo completamente destoante de sua música. Deixe-se levar pelas canções de "Coming Home".

12- Ludovico Einaudi - Taranta Project
Ludovico Einaudi, grande compositor e pianista italiano, conhecido por suas trilhas sonoras em filmes, assumiu esse projeto com vários músicos, juntamente com a orquestra de Taranta, em Salento, na Itália. "A Noite de Taranta" é o maior festival na Itália e um dos eventos mais significativos sobre a cultura popular na Europa. É dedicado especificamente à redescoberta e valorização da música tradicional de Salento e sua fusão com outras linguagens musicais, a partir de world music ao rock, do jazz à música sinfônica. Inspirado, Ludovico então lança o "Taranta Project", um álbum de estúdio que traz a sensação do espetáculo, que inclui o ecletismo musical, desde a música do norte da África a da Turquia. Uma preciosidade! Experimente a vibração do álbum "Taranta Project".

11- Witchwood - Litanies From the Woods
"Litanies From the Woods" é o álbum de estreia da banda italiana Witchwood, que mescla hard rock, southern, progressivo e psicodélico com uma pegada vintage dos anos 70 com atmosferas obscuras. As canções têm o equilíbrio perfeito entre os diversos gêneros, os instrumentos utilizados incluem o órgão Hammond, piano, sintetizador Moog, flauta, gaita, e bandolim. O resultado desse mix deu origem a um álbum que se assemelha a clássicos do rock. Muito bom, vale a pena ouvir "Litanies From the Woods".

10- Matanza - O Pior Cenário Possível
Sétimo álbum da banda, "O Pior Cenário Possível" vem com uma proposta diferente, ao invés de utilizar o velho clichê bebida e mulher, nesse o tema é mais sombrio, inspirado em histórias de terror e assassinato, uma reinvenção significativa para uma banda com tantos anos de estrada. As canções são diretas, um som agressivo, composições criativas e com o poderoso vocal de Jimmy London, além da utilização de duas guitarras. O countrycore fica um pouco mais lado e o rock dá as caras. O álbum é um ótimo e diferenciado registro dentro da discografia da banda, vai na contramão de tudo. Ouça "O Pior Cenário Possível".

09- Billy Gibbons - Perfectamundo
"Perfectamundo", o primeiro álbum solo do cantor e guitarrista da clássica ZZ Top, tem influências de música latina e afro-cubanas, mas sem dispensar o bom rock'n roll. Cantado em inglês e espanhol conta com instrumentos como congas e marimbas. É delicioso, criativo e iluminado, um presentão do velho Billy Gibbons aos fãs. Ouça "Perfectamundo".

08-Tulipa Ruiz - Dancê
Depois de dois discos maravilhosos e super elogiados, vem "Dancê" com uma proposta alegre, dançante, libertadora. A voz de Tulipa é uma coisa inexplicável, as letras são simples, mas os arranjos elaborados, são cancões vibrantes na pegada soul, disco music, mas há bastante variações, e também participações como João Donato, Lulu Santos e Felipe Cordeiro. Despretensioso, agradável e de extremo bom gosto, e como a própria artista afirmou, é um álbum para se ouvir com o corpo. Deixe-se levar por "Dancê".

07- Banda Eddie - Morte e Vida
Após um hiato de quase quatro anos, a Banda Eddie lança o disco "Morte e Vida". São 11 faixas inéditas com participações de Karina Buhr, Erasto Vasconcelos, Jam da Silva, João do Cello, entre outros. O disco é uma junção do rock, blues, samba, reggae e surfrevo (surf com frevo). O sexto trabalho da Banda Eddie é inspirado na obra literária de João Cabral de Melo Neto, "Morte e Vida Severina" (1955), as letras tratam de aspectos políticos da sociedade e das dores provocadas pela morte e vida das coisas num contexto poético. Confira o incrível "Morte e Vida".

06- Johnny Hooker - Eu Vou Fazer Uma Macumba Pra Te Amarrar, Maldito!
Primeiro disco do cantor pernambucano Johnny Hooker, "Eu Vou Fazer uma Macumba pra te Amarrar, Maldito" é passional, visceral, conta histórias de relações conflituosas, são canções excessivamente dramáticas e que refletem nos sentimentos de quem as ouve, os temas vão de amor, perda, desejo, raiva e passeiam por sonoridades como frevo, gafieira, samba, e axé. Hooker transborda, é autêntico, moderno, tem uma voz interessantíssima e ao vivo é um espetáculo com suas performances. Ouça "Eu Vou Fazer uma Macumba pra te Amarrar, Maldito".

05- Karina Buhr - Selvática
Karina Buhr me conquistou com seu terceiro álbum intitulado "Selvática", agressivo, provocador e inovador. As onze faixas contém temas políticos e feministas, a capa do álbum diz que está pronta para o combate, além de exaltar o empoderamento das mulheres, também fala de racismo, crise política e corrupção, são letras bem pensadas que se juntam a uma sonoridade que vai de um ponto ao outro, sereno e caótico, o impecável time de instrumentistas conta com Edgard Scandurra (Ira!), Fernando Catatau (Cidadão Instigado), Guilherme Mendonça (Guizado) e Manoel Cordeiro. Muitas questões são abordadas em "Selvática", é um exercício de reflexão. Igualdade de gêneros, desfazer rótulos e simplesmente Ser. Obra necessária! Ouça "Selvática". 
"Hoje eu não quero falar de beleza. Ouvir você me chamar de princesa. Eu sou um MONSTRO!"

04- Elza Soares - A Mulher do Fim do Mundo
Elza Soares. A cantora do milênio. Rainha do samba. Sinônimo de força. A mulher do fim do mundo. Elza é dona de uma voz áspera que desafia o tempo, tem 34 álbuns lançados ao longo de seus 60 anos de carreira, mas este é o primeiro álbum de repertório inteiramente inédito em sua discografia. "A Mulher do Fim do Mundo" é um renascimento e conta a sua própria história, levantando questões importantes, como a violência contra a mulher. É ácido, visceral, duro, angustiante e apocalíptico. A parceira com jovens músicos brasileiros, como Kiko Dinucci, Thiago França, Romulo Fróes, Marcelo Cabral, Celso Sim, Guilherme Kastrup, entre outros, faz deste um trabalho notável. Ouça "A Mulher do Fim do Mundo".
"Eu quero cantar até o fim. Me deixem cantar até o fim. Até o fim eu vou cantar. Eu vou cantar até o fim. Eu sou mulher do fim do mundo. Eu vou cantar, me deixem cantar até o fim."

03- Hindi Zahra - Homeland
Hindi Zahra é um dos meus xodós musicais, tenho grande empatia e identificação por esta artista franco-marroquina. Saiu o seu segundo álbum, "Homeland", e diga-se de passagem com uma bela capa, os ritmos africanos pontuam, o jazz também está presente, assim como o desert blues e o pop misturado a sua tradicional aura misteriosa. Sensualidade, delicadeza e charme resumem este disco, sua voz rouca hipnotiza e nos transporta a outros lugares. Uma rica e inebriante experiência. Ouça "Homeland".

02- Asaf Avidan - Gold Shadow
Asaf Avidan lançou após uma pausa de 3 anos seu segundo disco solo, "Gold Shadows", o blues, rock, folk e pop se destacam nas canções, sua voz andrógena e rouca por vezes suave e outras estridente é um espetáculo e reforça muito sua autenticidade. É um trabalho certamente atemporal. Um grande artista a ser descoberto! Asaf Avidan é israelense e fez parte da banda Asaf Avidan & The Mojos". Ouça "Gold Shadows".

01- Simone Mazzer - Férias em Videotape
Simone Mazzer, cantora e atriz, foi uma das minhas melhores descobertas no ano de 2015, dona de uma voz poderosa e impactante lançou seu primeiro álbum solo, "Férias em Videotape", um compilado de canções interpretadas com maestria, "Camisa Listada", de Assis Valente, "Parece que Bebe", de Itamar Assunção, "Hyper-Ballad", de Björk, "Back to Black", de Amy Winehouse, "Babalu", de Margarita Lecuona, "Essa Mulher", de Bernardo Pellegrini (com participação de Elza Soares), entre outras que ganharam vida nova na voz de Simone e nos arranjos de Marco Antonio Scolari. Um álbum com personalidade, energia, dramaticidade e potência. Simone Mazzer vai contra a corrente do cenário musical atual e destrói o "império pop liquidação". Por essas e outras inúmeras qualidades Simone merece estar entre os melhores álbuns lançados em 2015. Que os holofotes a enxerguem e deem o seu devido espaço entre a música brasileira. Ouça "Férias em Videotape".

Nenhum comentário:

Postar um comentário

SE FOR COMENTAR, LEIA ANTES!

NÃO ACEITO APENAS DIVULGAÇÃO.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...